Crea-MG realiza amanhã seminário Copa Sustentável

O Crea-Minas promove no dia 5 de abril, no auditório do Conselho, o Seminário Copa Sustentável com o objetivo de apresentar o planejamento e a organização dos empreendimentos para o Mundial de 2014 em Belo Horizonte. O evento contará com a participação de várias autoridades como ministros de Estado, representantes do governo estadual, da prefeitura de Belo Horizonte, deputados federais e estaduais, vereadores, comitê organizador local, presidente do Confea e dos Creas. O evento visa ainda divulgar a atuação do Crea-Minas, avaliar o legado pós-copa e mobilizar a sociedade para o trabalho voluntário para a busca do êxito sustentável do evento.

Foram convidados para o evento, o Consórcio de Empresas Parceiras Pública Privada, Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Federação Mineira de Futebol (FMF), o presidente do América Futebol Clube, o presidente do Clube Atlético Mineiro, o presidente do Cruzeiro Esporte Clube, Ademg, Belotur, Bhtrans, Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Controladoria Geral da União (CGU), Ministério Público da União (MPU), Ministério Público do Estado de Minas Gerais, Tribunal de Contas da União (TCU), Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Companhia Brasileira de Trens Urbando (CBTU), Sudecap, Copasa, Cemig, presidentes das entidades nacionais, presidentes das entidades regionais, Frente Parlamentar pela Valorização da Engenharia, da Arquitetura e da Agronomia, Sinduscon, Sicepot, Sinaenco, CBICC, Sebrae, ACMINAS, CDL, CEF, BNDES, BDMG, PMMG, CBMMG, Agência Desenvolvimento Metropolitano e órgãos de imprensa.

O Seminário Copa Sustentável é destinado aos profissionais envolvidos nos projetos e obras em Belo Horizonte, profissionais da área tecnológica, conselhos profissionais, setores produtivos, instituições de ensino, organizações da sociedade civil, Organizações Não Governamentais (ONGs), Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, (Oscips), sindicatos, dentre outros. Dividido em seis painéis, o Seminário debaterá temas como Infraestrutura - Aeroporto e Mobilidade Urbana, Projetos e Perspectivas, Viabilidade Econômica e Financiamento, Arenas, Agenda de Sustentabilidade para a Copa de 2014, Jogo Limpo - Dentro e Fora dos Gramados e Legado do Pós-Copa.

Dentre os vários desafios impostos para que Belo Horizonte sedie os jogos da Copa em 2014 com sucesso estão o término das obras da reforma do Mineirão no prazo estipulado pela Fifa, melhoria da malha rodoviária do estado que é um problema crítico já que Minas Gerais tem a maior malha rodoviária do País, mas também uma das piores. As principais rodovias são federais e estão em estado regular, ruim ou péssimo. O comitê pediu ao DNIT que priorize as estradas que ligam Belo Horizonte ao Rio de Janeiro e São Paulo e ao circuito de cidades históricas.

Outra questão que precisa ser solucionada é a mobilidade urbana, já que a desistência do projeto de metrô que ligaria a região da Savassi à Pampulha, apresentado na pré-candidatura, foi uma grande frustração para os belohorizontinos. O governo federal optou pelo BRT (Bus Rapid Transit), sistema de corredores rápidos de ônibus semelhante ao de Curitiba. Apesar de ser uma solução mais barata e rápida para implementação, o BRT não tem a mesma eficiência do metrô. Entre as obras de mobilidade urbana, que estão orçadas em 1,4 bilhão de reais, o corredor da avenida Antônio Carlos já se encontra praticamente pronto, devido a obras recentes.

A questão hoteleira é outro ponto crítico, pois a cidade tem um sério déficit de hotéis, principalmente de alto padrão - há apenas um cinco estrelas na cidade. Hoje, em grandes eventos, já é difícil encontrar vagas em hotéis de Belo Horizonte. O desafio é convencer a iniciativa privada de que investir na rede hoteleira na cidade é um negócio sustentável após o Mundial.

No caso do aeroporto, além da incômoda distância de 40 km até o centro da cidade, o aeroporto de Confins já trabalha acima de sua capacidade máxima e é preciso solucionar esta questão. O mesmo acontece em relação à segurança, já que apesar dos níveis de violência ainda não serem como os de Rio de Janeiro e São Paulo, nos últimos anos têm crescido consideravelmente.

Por fim, é preciso amadurecer o debate sobre a viabilidade financeira do projeto para a cidade já que Belo Horizonte é a terceira cidade que mais receberá investimento do governo federal, atrás de São Paulo e Rio de Janeiro, e o município que mais investirá em obras de infraestrutura. A questão é : como essas obras terão proveito no pós-Copa e o que podem significar em termos de retorno econômico e sociocultural para a cidade e para Minas Gerais. O Seminário Copa Sustentável será uma excelente oportunidade para debater e amadurecer soluções para estas importantes questões.

As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas pelo endereço:http://www.crea-mg.org.br/Paginas/default.aspx

4-4-2011

 

Notícias