Consumo Consciente abre seminário sobre resíduos sólidos



Consumo consciente foi o tema da palestra de Genebaldo Freire Dias, durante a abertura do seminário “A implantação das políticas de resíduos sólidos”, organizado pela ABES-MG, nos dias 3 e 4 de junho, em Belo Horizonte.

Autor de diversos livros sobre questões ambientais, Genebaldo Freire levou os participantes a uma reflexão sobre o modo como temos vivido, baseando a existência no consumo exacerbado e no descarte inadequado dos resíduos gerados.

Freire defendeu que o homem se distanciou de suprir apenas suas necessidades básicas (água, alimento, abrigo, lazer e arte)e foi se aproximando cada vez mais do consumo de supérfluos, poluindo, desperdiçando e degradando. “Enquanto falamos de sustentabilidade, na prática, adotamos atitudes que não condizem com os sinais que a natureza tem nos dado. Como resultado, a mudança do clima vem aumentando a instabilidade social e o risco global de enfrentarmos fome, miséria, desemprego e violência”.O palestrante defendeu ainda que, a educação centrada em conteúdos e classificação, substituiu a cooperação pela competição, fez tudo virar dinheiro, e ser feito cada vez mais rápido. “Ocupamos a maior parte do tempo trabalhando para comprar coisas que viravam lixo. Tirando o tempo do convívio e das questões essenciais e desrespeitando os limites do lugar onde estamos”.

“Atualmente, o valor mais importante é o econômico, até mais valioso que a própria vida. De forma continua e contundente, a prova do aquecimento global vem criando o desafio de se adaptar. A questão ambiental é vista como obstáculo ao crescimento e desenvolvimento econômico. Os encontros internacionais não chegam a um acordo e não mudam as catástrofes anunciadas.”

“O ser humano precisa fazer uma reforma, assumir suas responsabilidades, observar os direitos, impedir que a educação seja apenas a produção de intelecto e passe a preparar pessoas mais solidárias e sensíveis, capazes de perceber a dimensão de porque vivemos com seres tão diferentes nesse planeta, assim como a importância de cada um deles nessa interação. Fazer surgir uma nova mentalidade e percepção, que enfrente a resistência, e crie um legado de compreensão, tolerância e harmonia. E essa transformação, depende das pessoas que, assim como os participantes desse seminário, se dedicaram a essas questões”.