Anastasia lança projetos para revitalização de rios mineiros

O governador Antonio Anastasia lançou, no dia 26 de abril, no Auditório Juscelino Kubitscheck, na Cidade Administrativa, Projetos de Revitalização das Bacias de Minas, com ênfase no Projeto Estratégico Revitalização da Bacia do Rio das Velhas – Meta 2014. O rio das Velhas é o maior afluente do Rio São Francisco e a Meta 2014 se transforma no maior projeto de recuperação de bacia hidrográfica em curso no Brasil, com investimentos do Governo de Minas.

A experiência de melhoria da qualidade das águas do Rio das Velhas, coordenada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), transformou-se em modelo para a recuperação e despoluição de outros rios do Estado e agora, sob a responsabilidade do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), será levada para outras bacias de Minas.

Durante a solenidade foram assinados termos de cooperação técnica entre órgãos, entidades e parceiros para efetivar ações dos projetos de revitalização das bacias em Minas. Dados da Copasa comprovam o sucesso da Meta 2010, que agora se transforma em Meta 2014. Em 1999, apenas 1,34% do esgoto coletado na região da bacia do rio das Velhas era tratado. Em 2011, o índice chegou a 76,03%. Para este ano, a meta é 82% de esgoto tratado.

“Os números são impressionantes e demonstram que, nos últimos anos, fizemos um esforço grande. E quando, falo ‘fizemos’, não é só o governo, mas a sociedade civil também. A cada dia me convenço mais que governo sozinho não consegue fazer nada. Se não houver a mobilização da sociedade, dos empresários, das Universidades, das academias, das organizações da sociedade civil não governamentais, ao lado dos poderes públicos, nós não conseguiremos reverter tantas necessidades que nós temos. É graças a esse trabalho de harmonia e de coesão que conseguimos ao longo dos últimos anos essa evolução”, afirmou o governador.

Um dos resultados mais significativos da melhoria da qualidade das águas já é visível, principalmente na região do médio Rio das Velhas com o retorno de espécies de peixes que não sobrevivem na poluição e que, há muito tempo, não eram vistas no trecho do rio, como o dourado e o surubim.

“Em pouco mais de uma década se fez aquilo que não se fez na história inteira de nosso Estado e dessa bacia do rio das Velhas. Por isso, esse modelo está sendo lançado como um exemplo para as demais bacias, especialmente do Paraopeba e o Rio Doce, que também devem receber a nossa atenção, o nosso trabalho e o nosso cuidado”, disse Anastasia.

 Rio das Velhas – Meta 2014

O principal objetivo do projeto é a recuperação da qualidade das águas da bacia, permitindo a volta do peixe e a possibilidade de nadar no trecho do Rio das Velhas, localizado na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Desde 2007, o Governo de Minas vem realizando um esforço inédito na revitalização da bacia, com o maior investimento feito no Brasil. Até 2011, foi aplicado R$ 1,3 bilhão em obras e ações de saneamento, projetos de esgotamento sanitário, mobilização social e outras ações para proteção e execução da recuperação ambiental na bacia. Até 2015, serão investidos mais R$ 500 milhões.

Na cerimônia desta quinta-feira, o governador referendou o compromisso do Estado com a Meta 2014. “Todos que aqui estamos, autoridades, ambientalistas, servidores, convidados, vamos fazer com o Projeto Manuelzão o compromisso de todos entrarmos no Rio das Velhas na região metropolitana em 2014. E tenho certeza que estou tendo a aprovação deste meu desafio, para mostrar que o compromisso é coletivo, é de todos nós”, afirmou Anastasia.

O processo de revitalização do Rio das Velhas teve início, em 2003, quando a organização não governamental Projeto Manuelzão, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), percorreu a calha do Velhas, identificando os principais focos de degradação e as ações necessárias para sua reversão. O desafio da melhoria das águas do Rio das Velhas foi proposto pela sociedade civil ao Governo de Minas, em 2004. Em 2007, passou a ser um de seus Programas Estruturadores, o que significa prioridade entre os investimentos do Estado.

Para o coordenador do Projeto Manuelzão, professor Apolo Heringer, o compromisso do Governo do Estado é um importante passo para o sucesso da revitalização do Rio das Velhas. “A Meta 2014 vai projetar Minas no cenário mundial. É muito importante recuperar um rio de 800 quilômetros, o maior afluente do São Francisco. É uma mudança muito grande. Não tem nada mais importante do que isso. Digo sempre que é possível alcançarmos a Meta 2014, porque se não fosse possível o governador Antonio Anastasia, o ex-governador Aécio Neves, eu e demais pesquisadores do Projeto Manuelzão não teríamos assinado esse compromisso”, afirmou.

 Bacias dos rios Doce e Paraopeba

O modelo adotado para revitalizar a Bacia do Rio das Velhas será agora adotado para a recuperação de outras bacias no Estado. As primeiras contempladas serão as dos rios Doce e Paraopeba. Com investimento de R$ 430 milhões, serão revitalizadas as bacias hidrográficas dos rios Piracicaba, Mogi-Guaçu, Paraopeba e Pará, além do desenvolvimento dos instrumentos estratégicos de gestão de recursos hídricos no Estado de Minas Gerais.

As ações do Projeto contemplam a elaboração de planos para incremento do percentual de tratamento de esgoto sanitário nas bacias, identificando os principais problemas e ajudando na elaboração de diretrizes de ações e na captação de recursos, a implantação e ampliação da coleta e tratamento de esgoto com obras acordadas no âmbito do planejamento da Copasa, a elaboração de projetos executivos de esgotamento sanitário, entre outras ações.

“O primeiro fato importante é o aprendizado que tivemos com o projeto estruturador Meta 2010, que agora se transforma em Meta 2014. O compromisso assumido pelo governador Anastasia, pelo ex-governador Aécio Neves, é de continuidade do projeto. Estamos, hoje, fazendo o lançamento oficial do projeto Meta 2014. O objetivo é continuar a revitalização e a recuperação da Bacia do Rio das Velhas. São investimentos da ordem de R$ 1,3 bilhão, principalmente na área de saneamento básico”, explicou o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães.

Notícias