Operação Disparada gera pacto contra o desmatamento

Dando continuidade à etapa de esclarecimentos às lideranças locais sobre a operação Disparada, a equipe da Coordenação-Geral de Fiscalização do Ibama esteve ontem pela manhã em Novo Progresso/PA e à tarde em Sinop/MT. Em todas as reuniões, o recado foi o mesmo: a apreensão de gado criado em área embargada será rotina do instituto naqueles municípios que apresentarem aumento do desmatamento ilegal. Novo Progresso aderiu ao pacto contra o desmatamento ilegal. Na última terça-feira, receberam a visita do Ibama os municípios de Redenção e São Félix do Xingu, ambos no Pará, que também se comprometeram com a diminuição do desmatamento. Hoje, a equipe está em Boca do Acre/AM.

Em Novo Progresso, a prefeita Madalena Hoffmann recebeu a delegação do Ibama na Câmara Legislativa. Estavam presentes os vereadores, o corpo executivo do município e ruralistas. A prefeita mostrou-se bastante preocupada com a atuação do instituto uma vez que a cidade saiu da lista dos maiores desmatadores do país. Novo Progresso conteve o desmatamento, mas os novos focos foram encontrados em Altamira/PA, região circunvizinha. Madalena concordou que os desmatadores de Altamira moram em Novo Progresso.

A apreensão das 891 cabeças de gado foi motivo para que os ânimos se exaltassem um pouco. Alguns dos presentes mostraram-se indignados com a ação do Ibama e pediram a devolução dos bois a seu proprietário. "Vamos colocar as pessoas na rua e vai ter banho de sangue", insuflou um dos participantes, logo acalmado pelos demais. Apesar do clima tenso, não houve incidentes. No dia 04/03, manifestantes já haviam colocado correntes no helicóptero da autarquia. O coordenador-geral de Fiscalização Ambiental do Ibama, Bruno Barbosa, informou que, antes da apreensão do gado, a área havia recebido vários embargos desde 2004 e a notificação de retirada de gado no ano passado. Ele lembrou aos demais que a compra de área embargada traz junto o ônus da terra e que bois apreendidos não terão devolução administrativa. Ezequiel Castanha, um dos participantes, confirmou para os presentes que havia vendido a terra embargada a Joviano José de Almeida, escondendo o fato do comprador.

O município firmou um pacto com o Ibama: acabar com o desmatamento ilegal até o final do mês. "Já firmei o Termo de Ajustamento de Conduta, que vai ter que ser cumprido por nós para que não tenhamos problema com a regularização, e chamaremos os produtores para diminuírem o desmatamento", declarou a prefeita de Novo Progresso. O termo foi assinado no dia 21/03 entre governo do Pará, Ministério Público Federal e órgãos federais, entre eles, o Ibama, para tornar possível a regularização fundiária no estado.

Após a reunião na Câmara Legislativa, cerca de 500 pessoas esperavam o Ibama na sede de uma igreja no centro do município. Foi relatado o pacto do desmatamento zero assumido pela prefeita e líderes locais. "Vocês não podem deixar que alguns poucos se beneficiem do bem público em detrimento do benefício de todos vocês. Queremos que vocês regularizem suas áreas", disse o coordenador-geral do Ibama, lembrando ainda que todos os desmatamentos novos não serão regularizados e as imagens registradas dos satélites irão comprovar as datas dos desmatamentos. Os presentes parabenizaram a iniciativa do Ibama em conversar com a sociedade.