Saúde de lagoa depende de nascentes preservadas



Próximo de alcançar a retirada de 90% do esgoto que cai na lagoa da Pampulha, o poder público agora volta os olhos para a necessidade de preservação de 250 nascentes de água presentes no município de Contagem, na região metropolitana, e que deságuam na lagoa da capital. Elas estão fora da área que abrange o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, candidato a patrimônio cultural da humanidade. Porém, se mal preservadas, podem causar danos ao lago, aumentando, por exemplo, o assoreamento. O assunto foi debatido em audiência pública na tarde dessa quarta-feira (29), na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

 

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte (SMMA) teme que a expansão urbana possa intensificar o assoreamento da lagoa da Pampulha, pois Contagem ainda tem grande capacidade de ocupação territorial. O acúmulo de sedimentos se dá em decorrência da descida de terra pelos córregos que deságuam no lago e que nascem na cidade vizinha. A Prefeitura de Contagem não participou da audiência.

 

De acordo com o engenheiro florestal da SMMA, Ednilson dos Santos, o assoreamento é hoje a principal ameaça à lagoa. Nos últimos 16 anos, a Prefeitura de BH conseguiu reduzir de 380 mil m³ para 100 mil m³ o volume de terra acumulada no local. Entretanto, para Santos, o número ainda é alto. Ele diz que os córregos de Contagem conduzem a maioria da terra despejada.

 

Degradação. A nascente do córrego bom Jesus, no bairro de mesmo nome em Contagem, é uma das que podem ser afetadas pela expansão urbana, prejudicando a Pampulha. De acordo com a deputada Marília Campos (PT), na região serão retiradas 14 mil árvores para a construção de um conjunto habitacional com 1.800 moradias do programa Minha Casa, Minha Vida. “Esta pode ser a primeira grande construção no local. Se não cuidar da permeabilidade, da vegetação, a nascente pode secar, e isso vai afetar a lagoa da Pampulha”, disse.

 

Responsável pelo empreendimento, a Direcional Engenharia informou que seguiu todas as obrigações previstas no contrato, sendo prioridade o respeito das legislações ambientais. A empresa afirmou ainda que o projeto contempla a preservação da nascente e a reposição das árvores cortadas.

 

Candidatura

 

Decisão. Mesmo após o atentado em Istambul, na Turquia, que matou mais de 40 pessoas, a Unesco manteve para 15 de julho, na cidade, o resultado da candidatura da Pampulha a patrimônio.

 

PBH faz licitação para monitoramento

 

A abertura de licitação para o monitoramento ambiental e da qualidade das águas na Bacia Hidrográfica da Lagoa da Pampulha foi publicada na edição de dessa quarta-feira (29) do “Diário Oficial do Município” (“DOM”).

 

Entre as atividades que a empresa terá que realizar está o monitoramento de resíduos, de movimentação de terra, entre outros. O resultado da concorrência está previsto para ser divulgado no dia 16 de agosto. Os trabalhos iniciam-se em 2017.

 

Outros serviços de revitalização da área, no entanto, já estão sendo executados pelo Consórcio Pampulha Viva, incluindo a limpeza do espelho-d’água.

 

Limpeza. Conforme O TEMPO mostrou nessa quarta-feira (29), após três meses de tratamento da água, foram reduzidos os índices de três dos cinco componentes que provocam poluição: coliformes, clorofila e oxigênio. Falta diminuir o nível de fósforo e cianobactérias. (DC)

 

Saiba mais

 

Sem resposta. Procurada, a Prefeitura de Contagem não se pronunciou sobre o problema até o fechamento desta edição.

 

Iate. Segundo o diretor de Patrimônio Cultural da Fundação Municipal de Cultura, Carlos Henrique Bicalho, as conversas com a administração do Iate Tênis Clube sobre a demolição do anexo não avançaram. As partes ainda definem onde será reconstruída a parte que será derrubada.

 

Título. Segundo Bicalho, a indefinição sobre o anexo não prejudicará a candidatura ao título de patrimônio da humanidade.

6-7-2016