Belo Horizonte supera nível de poluição de São Paulo



O nível de poluição em Belo Horizonte tem piorado com o passar dos anos e gera um alerta, tanto para o meio ambiente como para a saúde da população. Nos últimos 14 anos, a emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE) quase dobrou na capital mineira, superando o índice per capita registrado em São Paulo, uma das cidades mais poluídas do país.

 

No momento, Belo Horizonte ainda emite gases poluentes dentro do previsto pelo padrão internacional: até 2 tCO2/hab. Mas caso não haja nenhuma medida para a mitigação desses poluentes, o nível pode aumentar mais 35% até 2030.

 

Com isso, a poluição em BH passaria de 1,76 toneladas de gás carbônico por habitante (tCO2/hab) para 2,4 tCO2/hab, valor semelhante ao da Cidade do México, que tem 2,6 tCO2/hab, e Rio de Janeiro, que possui 2,3 tCO2/hab. São Paulo hoje registra 1,4 tCO2/hab.

 

De acordo com o ambientalista e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) David Zee, existe um desequilíbrio na produção de gases no planeta, pois muitos são lançados pelo homem na atmosfera. "Já vemos problemas com isso em São Paulo. Acontece muito na China, onde a matriz energética é muito dependente do carvão e do petróleo. Isso polui o ar, primeiramente. Há uma mistura da umidade do ar com o CO2, produzindo o ácido carbônico. Ele chega a causar ardência nos olhos", detalha o especialista, ressaltando que os GEE também são os principais causadores do aquecimento global.

 

Transportes

 

Os veículos automotores são responsáveis pela emissão de 71% dos poluentes. Somente a gasolina é responsável por mais de 50% das emissões da capital.

 

Prevendo o aumento da poluição a partir de seu Inventário da Emissão de Gases, revisado pela última vez em 2013, a Prefeitura de Belo Horizonte formulou o Plano de Redução de Gases do Efeito Estufa, com uma série de propostas para reduzir os poluentes.

 

O plano estabelece metas como redução do uso do carro, incentivo ao transporte público e restrição de veículos na área central da cidade. Há ainda o objetivo de incentivar o uso de energias mais limpas, como a solar para residências, comércios e indústrias.

 

Segundo o plano, já há o comprometimento com ações que podem reduzir 17% das emissões em Belo Horizonte caso o PlanMob BH se concretize. Esse projeto tem como carro chefe o Move, sistema implantado em 2014 e que deveria atrair mais pessoas para o transporte público. Mas, de 2012 para 2015, a demanda pelo sistema de ônibus do município caiu 3%, conforme o jornal O Tempo.

30-6-2016