Empresas utilizam “Wetlands” (Jardins Filtrantes) no tratamento de esgoto



Os wetlands construídos, conhecidos também como jardins filtrantes ou filtros de areia plantados, são sistemas naturais de tratamento de esgoto compostos por plantas aquáticas e substratos (brita, areia, bambu, casca de arroz, entre outros). Comparando com os sistemas convencionais de tratamento, são de baixo custo, fácil operação e manutenção. Atualmente, a construção de wetlands tem sido utilizada em vários países para tratamento secundário e terciário de esgotos e para recuperação de rios degradados. Existem várias técnicas de construção e manejo de wetlands, que combinam processos químicos, físicos e biológicos com o objetivo de tratar diferentes tipos de efluentes. Esse sistema é uma alternativa interessante para tratamento de esgoto pelo seu baixo custo de instalação e operação e por ser mais “sustentável” tendo em vista que não utiliza produtos químicos e a biomassa gerada pelas plantas pode ser reutilizada como adubo e ração animal, entre outras vantagens.

 

A configuração mais usual dos filtros para esse tratamento consiste em 03 tipos diferentes de jardins. Inicialmente, as águas passam em um filtro vegetal vertical (Jardim Vertical) onde a matéria orgânica e o nitrogênio são degradados. Em seguida, na passagem para o filtro vegetal horizontal (Jardim Horizontal), um tratamento complementar é feito para os contaminantes que só podem ser tratados em meio anóxico (ausente de oxigênio). Por fim segue até o último filtro (lagoa terminal) para o término do processo de restauração da água, podendo, a partir de então, ser utilizada para variados fins, inclusive na irrigação das áreas verdes.Assim como o tratamento de lodo, a manutenção desse sistema é realizada a cada 10 anos e se resume na retirada da matéria mineralizada dos filtros vegetais verticais que se acumulam na parte superior do substrato. Essa matéria possui qualidades que propiciam sua utilização como adubo para agricultura ou outros jardins.

 

Todas as instalações dos sanitários da unidade em Joinville são equipadas com torneiras e descargas de baixo fluxo e com sensor ou temporizador. Outra iniciativa de uso racional de água e também de energia é o sistema conhecido como “Wetland” (Jardins Filtrantes), considerado altamente sustentável no tratamento de esgotos, dispensando a utilização de produtos químicos. A vegetação é adaptada ao local e integrada à paisagem para o tratamento dos efluentes. Tem reduzido consumo de energia, remove 90% dos poluentes, tem uma reduzida geração de resíduos sólidos.

15-02-2016