Em três dias, Sistema Paraopeba registra a maior alta dos últimos dois anos



O Sistema Paraopeba, conjunto de três represas que abastece a Região Metropolitana de Belo Horizonte, vem recuperando o seu nível com a sequência de chuva que atinge a capital mineira e cidades vizinhas na última semana. De sexta-feira até esta segunda-feira, houve um aumento de 6,1% do volume do sistema, que atualmente está com 30% de sua capacidade total. Esse foi a maior alta dos últimos dois anos, segundo a Copasa. Apesar do aumento, os índices continuam baixos. Para se ter uma ideia, em janeiro do ano passado, no início da crise hídrica, estava com 33,3%. Já em 2014, seu nível era de 76,8%.

 

A recuperação é causada pela chuva que atinge a região metropolitana. Em duas semanas, segundo o Instituto PUC Minas TempoClima, o volume acumulado de chuva em Belo Horizonte foi de 221,6 milímetros, o equivalente a 74% do esperado para todo o mês. A média mais elevada para o período na capital é de 296,3 mm.

Sabará já tem 300 desalojados; BH também registra deslizamentos

Sabará já tem 300 desalojados; BH também registra deslizamentos

 

O início da sequência de chuva coincide com a elevação do nível do Sistema Paraopeba. Há um mês, o conjunto de represas estava com 22,4% e seguiu com pequenos aumentos até a última sexta-feira. O volume de precipitações na Grande BH aumentou e, consequentemente, elevou mais rapidamente os reservatórios, que saiu de 23,9% para 30%, marca desta segunda-feira. De sábado para domingo, a alta foi de 2 pontos percentuais. Já de domingo para esta segunda-feira foi de 4,3 pontos percentuais.

 

A alta é puxada principalmente pelo reservatório Rio Manso, o maior do sistema. A represa, há um mês, estava com 29,8% da capacidade. Na última sexta-feira chegou a 33,2%. Nos últimos três dias, deu um salto, passando para 35,6%, no domingo, e 39,5% nessa segunda-feira. A represa Serra Azul quase dobrou o nível apresentado há 30 dias. A barragem estava com 6,7% de sua capacidade total e, agora, está com 11,7%. Já Vargem das Flores, saiu de 29,5%, neste mesmo período, e passou para 35,1%.

 

O aumento tem que ser comemorado por causa da estiagem vivida por Minas Gerais nos últimos dois anos. Mesmo assim, os níveis dos reservatórios seguem bem abaixo do esperado. No ano passado, estava com quase o mesmo volume, 33,3%. Porém, em 2014, o nível estava mais de três vezes maior do que o registrado nessa segunda-feira. Vale lembrar, que a situação dos reservatórios que abastecem a Grande BH só não é mais crítica porque a Copasa iniciou neste ano a captação de 5 mil metros cúbicos água do Rio Paraopeba em Brumadinho.

 

 

Se depender da chuva, os níveis dos reservatórios vão continuar em elevação. Os temporais não devem dar trégua na região metropolitana até a próxima quarta-feira. De acordo com o Instituto PUC Minas TempoClima, uma corrente de umidade que se deslocou da Amazônia para o estado e o sistema de baixa pressão que se encontra no litoral do Espírito Santo favorecem a formação de chuvas em Minas. Com isso, o clima fica instável e com possibilidade de precipitações mais intensas em todas a regiões mineiras.

18-01-2016