Samarco afirma ter entregue ao MP estudo que prevê cenário em caso de nova ruptura de barragem



A Samarco garantiu, por meio de nota, que protocolou no Ministério Público e no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, nesta terça-feira, o novo estudo preliminar de Dam Break, que detalha qual seria o cenário, em caso de uma ruptura hipotética das estruturas remanescentes das barragens da empresa, em Mariana.

 

Segundo a assessoria de imprensa da mineradora, o plano emergencial, que especifica como seria evacuada a área e toda a comunicação em caso de novo acidente já havia sido entregue em novembro passado.

 

A assessoria de imprensa do Ministério Público informou que ainda não tomou conhecimento do documento. A Samarco tinha prazo até a última segunda feira para entregar o estudo. Diante do atraso, o MP disse que iria pedir inclusive aumento do valor da multa.

 

"O Ministério Público vai entrar na Justiça com um novo pedido – para reiterar a aplicação da multa constante da inicial, além da elevação do valor de 1 milhão/dia para 5 milhões/dia. Caso essa medida não seja suficiente, o MP pedirá a execução da multa (o que significa que o MP ainda não pediu a execução de nenhuma multa). Os valores são cumulativos, ou seja, os R$ 10 milhões contados antes da suspensão pelo desembargador continuam sendo computados", afirma o MP, por meio de nota.

 

No texto, o promotor Mauro Ellovitch diz ainda que "a sociedade não pode ficar à mercê dos prazos que atendam a conveniência da Samarco. Esses estudos já deveriam ter sido apresentados há muito tempo. A demora coloca em risco desnecessário vidas humanas”.

14-01-2016