Barragem da CSN em Congonhas é tema de audiência pública



 

 

A Comissão de Participação Popular da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) vai discutir, em audiência pública, o funcionamento da barragem de rejeitos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) localizada em Congonhas (Região Central do Estado). A reunião, solicitada pela presidente da comissão, deputada Marília Campos (PT), está marcada para esta quarta-feira (18/11/15), às 9 horas, no Teatro.

Acidente com duas barragens de rejeitos de minério da mineradora Samarco provocou uma avalanche de lama

 

Segundo a parlamentar, a população de Congonhas está apreensiva após o rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana, que destruiu os distritos de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo e comprometeu o abastecimento de água em várias cidades às margens do Rio Doce. “Congonhas também é uma cidade mineradora com uma barragem bem perto da cidade. Felizmente, nenhuma tragédia ocorreu por lá. Porém, a população está com medo”, justifica.

 

Convidados - Foram convidados para a reunião o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Sávio Souza Cruz; o diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), José Fernando Coura; o presidente da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), Diogo Soares de Melo Franco; o gerente-geral de Meio ambiente da CSN, Newton Augusto Viguetti Filho; o prefeito de Congonhas, José de Freitas Cordeiro; o coordenador do Núcleo de Resolução de Conflitos Ambientais do Ministério Público, Carlos Eduardo Ferreira Pinto; o promotor Vinícius Alcântara Galvão; o gerente-geral de Administração e o especialista institucional da Casa de Pedra e Arcos, Márcio Melillo e Marcelo Matos, respectivamente.

18-11-2015