Rodízio de água penaliza 16 municípios mineiros



Entre os municípios que são abastecidos pela Copasa, até nesta quinta, 16 deles enfrentavam o rodízio de água em função de um “prolongado período de estiagem, associado ao aumento do consumo de água devido ao forte calor”, conforme a empresa informou vai nota oficial. Os municípios afetados são Astolfo Dutra, Catuti, Mato Verde, Medina, Ubá, Igarapé, Caratinga, Visconde do Rio Branco, São Tiago, Peçanha, Candeias, Montes Claros, Mutum, Lagoa Dourada, Taiobeiras e Divisa Alegre. No caso da Copanor, subsidiária da Copasa, criada para atender as regiões Norte e Nordeste do Estado, tem pelo menos a cidade de Extração com rodízio.

 

Mesmo com a publicação das informações no site da Copasa, muita gente de Lagoa Dourada não tinha conhecimento de como funcionaria o rodízio. “Eu não estou informada (sobre o rodízio)”, disse a funcionária pública Célia Clara Rezende Silva. “Já ouvi comentários de pessoas que estão enfrentando falta de água, mas na minha residência nunca faltou”, acrescentou Célia.

 

A diretora da Escola Estadual Abeilard Pereira em Lagoa Dourada, Patrícia Juliana do Nascimento Santos também disse que não tinha informações sobre o rodízio e que pretendia procurar a Copasa para saber se a escola seria afetada, uma vez que ela estava em obras.

 

Para o comerciante da cidade, Jaci de Oliveira Andrade, além do rodízio, a Copasa deveria finalizar as obras de captação de água. “A Copasa furou dois poços artesianos, mas agora só falta colocar energia para mandar a água para a cidade. Tem muita água nesses poços”, disse. “Outro problema, é que quando a água volta, após o rodízio, passa muito ar nos canos e o hidrômetro cobra”, reclamou Jaci.

 

Emergência. Minas Gerais tem 123 municípios em estado de emergência em função de seca e estiagem. Nos últimos três dias seis municípios entraram na lista da Defesa Civil: Viçosa, Jampruca, Caraí, Frei Gaspar, Itaipé e Berizal.

 

Outro lado

Ações. Segundo a Copasa, medidas como plano de racionamento, perfuração de poços profundos, execução de obras e contratação de caminhões-pipa estão sendo tomadas nas cidades com rodízio.

 

Choveu só 54% da média histórica em outubro

 

A chuva registrada no mês de outubro deste ano correspondeu a apenas 54% da média histórica para o período em Belo Horizonte e região. Historicamente, neste mês, chove 123,1 milímetros e neste ano choveu apenas 67,5 milímetros no período.

 

As chuvas também costumam se estender por 11 dias, porém em 2015, choveu apenas quatro dias, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Com isso, os índices pluviométricos dos reservatórios ficaram também abaixo da média.

 

O metereologista Luiz Ladeia, do Inmet, explicou que a baixa se deve ao El Niño – fenômeno climático em que há um aquecimento excessivo do oceano pacífico provocando chuvas intensas na região Sul do Brasil e trazendo uma massa de ar quente e seca que se estende até o Sudeste do país.

 

O Sistema Paraopeba, que abastece parte de BH e região, atingiu um nível muito baixo, atuando com apenas 24% de sua capacidade. O reservatório que estava em situação mais crítica era o Serra Azul, com 8,2%.

 

Vídeo de padre ‘viraliza’ na internet

 

Acostumado a usar sua Belina 1975 para espalhar campanhas de combate à dengue pelo Norte de Minas Gerais, o padre Bessa – da paróquia São Sebastião, de Montes Claros – resolveu levantar a bandeira contra o desperdício de água. Mas, no lugar do seu velho carro, adotou um veículo mais rápido: a internet. Com base no hit Cor de Ouro, do sertanejo Gusttavo Lima, o padre escreveu uma paródia com alertas divertidos como “Esse banho demorado é coisa de louco, essa lavagem de calçada prejudica o povo”.

 

Cantada pela dupla Kaio Marques e Nataly, a música foi postada nas redes sociais e viralizou no Whatsapp. “Ainda tem muita gente que não tomou consciência da situação da seca. Com música e internet é possível entrar em casas onde não conseguiríamos chegar”. Segundo o padre, já são mais de 20 mil acessos. No vídeo, gravado em uma barragem praticamente seca, na divisa de Montes Claros e Pirapora, o padre aparece em cenas do cotidiano, criticando ações como lavar o carro e a calçada com mangueira.

11-11-2015