Dilma entrega trecho da transposição, mas água só chegará em 2016



Na tentativa de retomar a agenda positiva em meio à baixa popularidade, a presidente Dilma Rousseff entregou nesta sexta-feira (21), em Cabrobó, no sertão pernambucano, o primeiro trecho do eixo norte da transposição do rio São Francisco.

 

Mas a água que irá percorrer esses canais ainda levará ao menos oito meses para chegar às casas das primeiras famílias que serão beneficiadas.

 

Na cerimônia, a presidente fez o acionamento de uma motobomba, estrutura que permite elevar a água de um reservatório para uma altura de 36 metros, para que possa percorrer os primeiros quilômetros dos canais da transposição. Agora, será preciso ainda construir os sistemas de distribuição para que as águas cheguem às casas das famílias que moram na área de influência do projeto.

 

Essas obras serão executadas pelos governos estaduais, por meio de convênios com o Ministério da Integração. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), assinou nesta sexta o termo de compromisso para construção dos 52 sistemas de abastecimento no Estado. A previsão é que esses sistemas sejam entregues em três etapas: em 8, 16 e 24 meses após o início das obras.

 

Na etapa da transposição do São Francisco inaugurada nesta sexta, a água irá percorrer um trecho de 9 km até o reservatório de Tucutu, e outros 45 km até o de Terra Nova. Segundo o Ministério da Integração, as águas levarão 40 dias para encher o primeiro reservatório, e mais 18 dias para o segundo.

 

O acionamento da estação de bombeamento pela presidente Dilma foi apenas um ato simbólico -o trecho já estava em funcionando, em fase de testes, desde o dia 7 de agosto.

 

Principal obra de abastecimento hídrico do país, a transposição do rio São Francisco já teve sua conclusão adiada diversas vezes. Agora, a nova previsão é que os trabalhos sejam concluídos até janeiro de 2017. Segundo o ministério, as obras estão 77,8% concluídas.

 

Os canais da transposição do rio São Francisco terão, ao todo, 477 km de extensão, divididos nos eixos norte (260 km) e leste (217 km). Eles deverão levar água a 12 milhões de pessoas em 390 municípios de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

 

Segundo o Ministério da Integração, o governo investiu, até julho deste ano, R$ 6,8 bilhões de um total de R$ 8,2 bilhões do empreendimento.

 

MARATONA

 

Dilma retomou nesta sexta, em Pernambuco, a série de viagens que está realizando pelo país numa tentativa de implementar uma agenda positiva para recuperar a popularidade, em recorde de baixa em meio às crises política e econômica que seu governo enfrenta. A visita ao Estado ocorre um dia após movimentos sociais irem às ruas em 32 cidades contra o impeachment da petista.

 

Em Cabrobó, ela disse que o governo terá de "apertar o cinto" em relação ao Orçamento, mas que os programas sociais não serão afetados pela medida.

 

À tarde, Dilma irá para o Recife, onde terá reunião fechada com um grupo de cerca de 50 empresários da Fiepe (Federação das Indústrias de Pernambuco).

 

No encontro, os ministros Armando Monteiro Neto (Desenvolvimento), Kátia Abreu (Agricultura) e Nelson Barbosa (Planejamento) irão apresentar detalhes do Programa de Investimento em Logística e do Plano Nacional de Exportação.

 

Em meio à crise política e econômica, Dilma deu início na semana passada, em Salvador, a uma agenda de aproximação com o empresariado. O objetivo é evitar o agravamento do pessimismo em relação à economia do país e apresentar oportunidades de investimento para o setor.

 

À noite, ainda no Recife, a presidente participa de evento do Dialoga Brasil, uma plataforma digital lançada em julho pelo governo para receber sugestões e propostas de movimentos sociais.

26-08-2015