Copasa estuda construção de reservatório no Rio das Velhas



Para evitar problemas futuros de abastecimento na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), a Copasa já estuda a possibilidade de criar mais um reservatório de água, desta vez no rio das Velhas. A ideia é armazenar a água no período de cheia para garantir que o recurso não falte durante a seca. Atualmente, três reservatórios atendem a Grande BH, todos dentro do Sistema Paraopeba.

 

Ainda não há previsão de início de obras no leito do Velhas, já que a proposta ainda está em fase de análise. Entretanto, o tema deve ser tratado como prioridade, já que o próprio governador Fernando Pimentel vê a falta de armazenamento da água do rio como um problema.

 

“O sistema hoje fornece água para a zona Sul de Belo Horizonte, toda ela captada no curso do rio, fio d’água. Não tem reservatório. Isso é um problema sério, porque você começa um período de seca mais longa, como nós tivemos nos últimos anos, você corre o risco de secar o rio”, afirmou.

 

“A água no rio das Velhas passa no período de enchente e a gente não a aproveita. Estão sendo iniciados estudos para avaliar a possibilidade dessa reserva e em que locais ela poderá acontecer”, confirmou o diretor de Operações Metropolitanas da Copasa, Rômulo Perilli.

 

O assunto foi abordado ontem durante uma visita do governador às obras de ampliação da captação de água no Sistema Rio Manso. A intervenção, realizada pela Copasa, irá garantir o abastecimento para a RMBH nos próximos 20 anos.

 

A obra, que vai possibilitar a captação de até 5 mil litros de água por segundo do rio Paraopeba, deve ser entregue em dezembro deste ano. O total a ser captado é quase igual a todo o volume utilizado hoje pela Companhia nas três represas do Paraopeba (rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores), 5,5 mil litros por segundo.

 

Até o momento, já foram construídos dois dos seis quilômetros de adutoras de aço que vão transportar a água. A Copasa garante que a retirada, autorizada pelos órgãos ambientais para acontecer entre outubro e maio, não irá trazer impactos para a região. Por causa das melhorias resultantes da intervenção, a Copasa anunciou, na última segunda-feira, que está descartada a possibilidade de racionamento em BH e região metropolitana até o fim do ano.

 

Pimentel promete solução para água e esgoto em Brumadinho

 

Moradores de Brumadinho, na Grande BH, que, apesar de viver às margens do rio Paraopeba sofrem com a escassez hídrica, devem ter o problema finalmente resolvido.

 

Conforme o Hoje em Dia mostrou nessa quarta-feira (12), vários bairros são abastecidos apenas por caminhão-pipa e não há coleta de esgoto. Segundo o governador Fernando Pimentel, o município também será beneficiado com a obra de captação no rio Paraopeba.

 

“A cidade nesse momento tem um foco importante para nós, porque estamos captando a água do rio que passa por lá. Vamos construir a Estação de Tratamento de Esgoto de Brumadinho, que não havia, e ampliar o fornecimento de água para todos os bairros da cidade”, afirmou. O chefe do Executivo estadual não detalhou quando as melhorias anunciadas devem ser colocadas em prática para benefício da população.

 

A promessa foi acompanhada de perto por vereadores da cidade que cobram uma solução para a falta de água. “O que fica é um sentimento de desrespeito porque há essa captação de água para quem é de fora enquanto mais de 10 mil moradores daqui não têm água”, alegou a vereadora Alessandra Cristina de Oliveira.

 

COMPROMISSO

 

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente da cidade, em 2008, quando a Copasa renovou o contrato de concessão da captação de água para a capital, a empresa assumiu o compromisso de garantir 100% de abastecimento para Brumadinho e de oferecer saneamento básico.

 

Entretanto, o acordo não estaria sendo cumprido e, além de parte dos moradores conviver com a falta d’água, parte do esgoto das residências é descartada sem tratamento nos mananciais da região.

 

14-08-2015