Gás natural vira a principal aposta em energia segura

O gás natural pode ter sua grande chance já que as fontes de energias rivais estão sob suspeita. Os sérios problemas na indústria de energia nuclear no Japão levantaram questões sobre a segurança da fonte. Novas explorações de petróleo no Golfo do México ainda não foram retomadas após o vazamento de um poço de petróleo da BP, no ano passado. As minas de carvão estão sendo questionadas pela contribuição com o aquecimento global.

O gás natural superou dois de seus maiores obstáculos - preços voláteis e material questionável. As reservas aumentaram significantemente devido a descobertas nos Estados Unidos e no exterior, e o preço está mais baixo nos últimos dois anos.

É cedo para afirmar se os eventos no Japão podem repelir o ressurgimento nuclear global e levar a um aumento na demanda de gás natural. Ainda não se pode dizer se os responsáveis pela política nuclear fazem falsas promessas.

Ainda assim, com a expectativa de crescimento de dois dígitos na demanda global por energia, analistas antecipam nova alta no consumo do gás. Dadas as crescentes preocupações com a energia nuclear e as restrições nas emissões de carbono, o banco Societe Generale chamou o gás de o combustível da "falta de opção".

"No fim do dia, quando você olha para a equação risco-ganho, o gás natural sai como o vencedor", diz Lawrence J. Goldstein, economista da Fundação de Pesquisa de Política de Energia.

Desde o desastre do país asiático, os preços do urânio caíram em 30%, enquanto os do gás natural na Europa e EUA subiram cerca de 10%. Autoridades de vários países, como China, Alemanha, Finlândia e África do Sul, disseram iriam rever suas estratégias nucleares.

As concessionárias de abastecimento públicos também consideram o papel do gás no fornecimento de energia estável uma função historicamente exercida pelo carvão mineral e pela energia nuclear. Seus diretores estão cientes das flutuações nos preços do gás natural.

Porém, isso pode estar perto de mudar, diz John Rowe, presidente da Exelon, a maior concessionária de energia nuclear dos EUA. Ele argumenta que a construção de uma usina seria exageradamente dispendiosa. Além disso, novas regras da Agência de Proteção Ambiental limitam as emissões de carbono, requerendo investimentos caros para limpar as emissões das indústrias de carvão. Isso significa que as concessionárias irão cada vez mais mudar para o gás natural.

Crescimento
Gás natural. O relatório divulgado, na última terça-feira, pelo Centro Bipartidário de Política e pela Fundação Americana de Céus Limpos, prevê que o consumo do gás irá crescer por causa da abundância de novos suprimentos. Inclusive nos EUA, que provavelmente manterão os preços baixos.
Aumento. A produção global subiu 44% de 1990 a 2010, enquanto as reservas do gás cresceram 67%.
Após atingir o preço máximo de US$ 13,58 por mil pés cúbicos, em 2008, os preços do gás nos EUA eram em média US$ 4,38, em 2010.

Poluição
Metade. O gás natural emite quase a metade de dióxido de carbono, em comparação com o volume liberado na queima de carvão, para produzir um kilowatt-hora de eletricidade.