Igam pode reduzir outorga



O diretor de desenvolvimento sustentável da Anglo American no Brasil, Pedro Borrego, afirmou que o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) estudará a realidade de cada empresa na hora de definir a redução das outorgas que podem ser necessárias diante da crise hídrica no Estado. “A redução de 30% das outorgas é um número global, mas o Igam está sentando com as empresas para discutir a realidade de cada uma”, afirma Borrego. Segundo o diretor, as conversas entre a Anglo e Igam já estão acontecendo. O sistema Minas-Rio conta com um mineroduto de 529 km que leva a produção da mina em Conceição do Mato Dentro até o porto de São João da Barra, no Rio do Janeiro. Para isso, tem uma outorga cedida pelo Igam de 2.500 m³ de água por hora.

 

“Quando conseguimos esta outorga, algumas condicionantes foram colocadas, e uma delas é que nós captamos a água depois do abastecimento das cidades”, explica o presidente da Anglo American no Brasil, Paulo Castellari Porchia. O presidente defendeu a legislação ambiental brasileira, que considera moderna, mas salientou “que o difícil é executar as normas. A máquina que é o problema”, opinou.

 

Para Pedro Borrego, uma crítica que pode ser feita quanto aos licenciamentos ambientais em Minas Gerais é “a falta de alinhamento entre a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e o Ministério Público Estadual”, disse.

27-05-2015