Aplicativo para economia de água é tema de reunião



A Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) recebe, na próxima quarta-feira (20/5/15), a estudante e administradora Mariana Vasconcelos, criadora de um aplicativo de celular que reduz o consumo de água na agricultura irrigada em até 60%, o Agrosmart. A reunião, solicitada pelo deputado Gil Pereira (PP), presidente da comissão, será no Plenarinho III, às 10 horas.

 

Natural de Itajubá (Sul de Minas), filha de fazendeiro, Mariana, 23 anos, foi selecionada entre mais de 500 pessoas para representar o Brasil como bolsista do Graduate Studies Program da Singularity University, que funciona em um centro de pesquisa da Nasa no Vale do Silício, na Califórnia (EUA).

 

A instituição escolheu empreendedores de 19 países para seu programa de imersão Call to Innovation. Mariana foi premiada pela criação da plataforma contra desperdício de água, que utiliza um sistema de sensores que conectam o agricultor diretamente às plantações, indicando a quantidade de água necessária para a atividade agrícola.

 

Além da economia de água e de energia, o aplicativo “inteligente” aumenta a produtividade da agricultura irrigada. A tecnologia utiliza sensores que, espalhados pelo campo, avaliam a umidade do solo e a ocorrência de pragas, entre outros parâmetros. Os dados são interpretados pelo aplicativo, que indica ao agricultor os intervalos de irrigação e outras variáveis em tempo real.

 

Para Mariana, o fato de ter sido selecionada para estudar em um centro de pesquisa da Nasa significa “uma grande conquista para a Agrosmart”. “Acreditamos que podemos melhorar a vida das pessoas ao buscar constantemente um modo mais inteligente de fazer as coisas. Teremos a oportunidade de levar a nossa inovação mais longe e isso só é possível porque temos um time fantástico”, diz ela no perfil da Agrosmart no Facebook.

 

Interessado em conhecer melhor a nova tecnologia, o deputado Gil Pereira afirma que a inovação apresentada pela jovem estudante "é da maior importância no atual contexto de crise hídrica e energética". Segundo ele, é interesse da comissão "saber como é possível usar a nova ferramenta e se ela pode ser aplicada de imediato e em larga escala, já que a agricultura, ao lado da indústria, está entre os setores que mais gastam água e energia".

18-05-2015