Brasil assina documento sobre realização do 8º Fórum Mundial da Água em Brasília, em 2018



Diretores da Agência Nacional de Águas participaram hoje da assinatura do memorando de entendimento entre o Conselho Mundial da Água, o Governo do Distrito Federal e o Governo Federal para a realização da 8ª edição do Fórum Mundial da Água em Brasília, em 2018.

 

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, assinaram o documento no Palácio do Buriti. Também estiveram presentes o diretor-presidente da ANA, Vicente Andreu, e os diretores Paulo Varela, que é um dos membros do corpo de dirigentes do Conselho Mundial da Água, e João Gilberto Lotufo, além do secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do GDF, Paulo Sales e dirigentes da Adasa e da Cagece.

 

Brasília será a primeira cidade do hemisfério Sul a receber o maior evento mundial sobre recursos hídricos, cujo tema será Compartilhando Água. O documento assinado nesta terça-feira define a participação do Conselho Mundial da Água e do governo do Distrito Federal na preparação, organização e acompanhamento dos resultados do Fórum, que reúne usuários, estudiosos, governos, empresas e a sociedade para, juntos, compartilharem problemas e soluções relacionadas aos recursos hídricos.

 

Para Andreu, a realização do evento em Brasília coloca o Brasil em uma posição de destaque mundial no tema água, além de ser uma oportunidade para mostrar ao mundo os avanços da gestão dos recursos hídricos no Brasil. "Este momento, de crise hídrica, é simbólico para assinarmos este documento, pois coloca o tema água nas agendas dos governos e dos parlamentos", disse Andreu.

 

Para a ministra, reunir especialistas do mundo todo em Brasília será uma oportunidade para trazer o tema para a questão urbana. "Brasília é uma cidade ainda jovem, mas sua ocupação, como em toda cidade, exerce uma pressão muito forte sobre os recursos hídricos", disse Izabella. De acordo com a ministra, a ANA será o braço técnico da parceria entre o GDF e o governos federal na realização do Fórum.

 

Izabella lembrou que a escolha de Brasília para o Fórum é resultado de um processo de mais de dois anos de negociação, em que a cidade disputou a vaga com a cidade dinamarquesa de Copenhague e foi eleita em fevereiro de 2014, durante a 51ª Reunião do Conselho Mundial da Água.

 

Na avaliação do governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, ao final do Fórum, Brasília deverá ser exemplo de desenvolvimento sustentável.

 

Na semana que vem, começa o 7° Fórum Mundial da Água. O evento ocorre entre os dias 12 e 17 nas cidades de Gyeongju e Daegu na Coréia do Sul. O Brasil terá um espaço próprio, o Pavilhão Brasil, para reunir os brasileiros que participam do Fórum, onde, todos os dias, haverá eventos organizados pelas instituições brasileiras que dividem o estande.

 

Organizado pelo Conselho Mundial da Água (WWC – World Water Council) e o país anfitrião, o Fórum Mundial da Água ocorre a cada três anos, com o objetivo de aumentar a importância da água na agenda política dos governos, aprofundar discussões, trocar experiências para os atuais desafios e formular propostas concretas. As edições anteriores ocorreram no Marrocos (1997), Holanda (2000), Japão (2003), México (2006) e Turquia (2009) e Marselha, na França (2012). O próximo Fórum será em Brasília, em 2018.

09-04-2015