País desperdiçou 37% da água tratada em 2013, diz relatório do governo



O Brasil desperdiçou 37% de toda a água tratada em 2013, segundo relatório do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), serviço ligado ao Ministério das Cidades. Os números de 2013 são os mais recentes divulgados. A média se manteve estável com relação ao verificado em 2012. O ideal, segundo o estudo, é que o índice de desperdício fique abaixo de 20%.

 

A principal causa que o SNIS aponta para a água que não chega ao consumidor são "vazamentos em adutoras, redes, ramais, conexões e reservatórios" das prestadoras de serviço responsáveis pelo abastecimento. As regiões Norte e Nordeste são as únicas com taxas de desperdício maior que a média nacional, 50,8% e 45% respectivamente. Depois vêm as regiões Sul (35,1%), Centro-Oeste (33,4%) e Sudeste (33,4%).

 

Entre os estados, o Distrito Federal teve o menor desperdício (27,3%), e o Amapá teve o maior (76,5%). (Veja tabela completa abaixo)

 

FALTA D'ÁGUA EM SP

Seca afeta abastecimento

 

blog: como economizar água

e se o cantareira secar?

custo e prazo de obras

 

Ainda de acordo com o levantamento, dez capitais brasileiras têm índice abaixo da média nacional. São elas, na ordem crescente de taxa de desperdício: Goiânia, Porto Alegre, Brasília, Campo Grande, Rio de Janeiro, Vitória, Florianópolis, Palmas, São Paulo e Belo Horizonte. O pior índice de desperdício nas capitais é em Macapá, 73,6%.

 

No relatório, o SNIS ressalta que "em tempos de escassez hídrica, a gestão de perdas de água tem papel fundamental nas ações estruturantes nos prestadores de serviços". Também afirma que os dados apresentados mostram a necessidade de as empresas responsáveis pelo abastecimento de água atuarem em ações para a melhoria da gestão, para a sustentabilidade da prestação de serviços, para a modernização de sistemas

e para a qualificação dos trabalhadores. Confira a taxa de desperdício em cada estado, de acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento:

 

Região Norte

Acre: 55,9%

Amazonas: 47,0%

Amapá: 76,5%

Pará: 48,9%

Rondônia: 52,8%

Roraima: 59,7%

Tocantins: 34,3%

 

Região Nordeste

Alagoas: 46,1%

Bahia: 41,6%

Ceará: 36,5%

Maranhão: 37,8%

Paraíba: 36,2%

Pernambuco: 53,7%

Piauí: 51,8%

Rio Grande do Norte: 55,3%

Sergipe: 59,3%

 

Sudeste

Espírito Santo: 34,4%

Minas Gerais: 33,5%

Rio de Janeiro: 30,8%

São Paulo: 34,3%

 

Sul

Paraná: 33,4%

Rio Grande do Sul: 37,2%

Santa Catarina: 33,7%

 

Centro-Oeste

Distrito Federal: 27,3%

Goiás: 28,8%

Mato Grosso do Sul: 32,9%

Mato Grosso: 47,2%