Aumento no volume do Rio São Francisco anima especialistas, mas desassoreamento é necessário



Devido às últimas chuvas, o aspecto do Rio São Francisco mudou. Visto de cima, o Velho Chico se apresenta cheio, bem diferente do que se verificou no fim de setembro, quando, como consequência da longa estiagem, o manancial teve o seu nível muito reduzido e sua nascente principal, localizada na Serra da Canastra (no município de São Roque de Minas, Região Centro-Oeste do estado) secou. A água da nascente já voltou a brotar.

 

 

Mas, ao mesmo tempo em que comemoram o “retorno” do volume normal do Rio São Francisco, ambientalistas e produtores alertam que o assoreamento elevado entupiu o leito principal do Velho Chico em vários locais e isso acabou criando o fenômeno da “falsa enchente”, dando a impressão de que ele está muito cheio, quando, na verdade, continua raso, por causa do grande volume de areia no canal principal.

 

A regularização do Rio São Francisco é bem recebida no Projeto de Irrigação do Jaíba, no município homônimo, no Norte de Minas, onde o nível do manancial subiu cerca de 2,5 metros do fim de novembro prá cá. Isso permitiu o retorno de novos plantios no perímetro irrigado, que estavam suspensos desde junho, por causa do baixo nível do rio, situação agravada pela redução do volume de água liberado pela Usina Hidrelétrica de Três Marias, na Região Central do estado.

 

Atualmente, o reservatório da represa de Três Marias está com 7,25% de sua capacidade. Mesmo com as últimas chuvas, continuam sendo liberados pela represa somente 120 metros cúbicos por segundo, visando aumentar o nível do reservatório. Assim, o aumento do nível do Rio São Francisco na região do Projeto Jaíba foi provocado pela água de afluentes que desembocam nele depois da represa de Três Marias: o Rio das Velhas, cuja bacia surge na Região Metropolitana de Belo Horizonte; e os rios Abaeté, Jequitaí, Urucuia e Paracatu.

 

Diretor da Associação dos Fruticultores do Norte de Minas (Abanorte), o produtor Saulo Bresinski Lage afirma que a “cheia” do São Francisco trouxe um alívio para os irrigantes do Projeto Jaíba, que enfrentavam prejuízos com a interrupção de novos plantios nas áreas irrigadas, por causa da escassez de água. Por outro lado, ele ressalta que, por conta do assoreamento, logo nas primeiras chuvas da estação, criou-se a impressão de que o Velho Chico já teve o seu volume muito elevado, o que não corresponde à verdade. “Como tem muita areia dentro do rio, com qualquer chuvinha, cria-se aquela aparência de que ele está cheio. É uma enchente falsa”, observa Lage.

 

Ele salienta que é necessário realizar um trabalho de desassoreamento, com a retirada de areia do leito principal e o replantio de matas ciliares. “É preciso também fazer um trabalho de recuperação das nascentes dos afluentes e rios que fazem parte da Bacia do São Francisco, como os rios Arrudas, das Velhas e o Verde Grande”, sugere o produtor.

 

DESMATAMENTO A secretária da Câmara Consultiva do Alto São Francisco, Silvia Freedman, que integra o Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), salienta que o problema do assoreamento do Velho Chico ocorre há décadas, sendo uma consequência direta do desmatamento e, principalmente, da retirada das matas ciliares. Os efeitos da derrubada das árvores são percebidos durante o período chuvoso. “Sem a vegetação, o solo fica descoberto. Assim, todo lixo e sedimentos são levados pela enxurrada para dentro do rio. Por isso que, logo depois das primeiras chuvas, a água do rio fica barrenta, como estamos verificando no atual período”, assegura Silvia, que também é presidente do Comitê de Bacia do Entorno do Lago da Usina de Três Marias. “Infelizmente, por conta do desmatamento, o lago de Três Marias também está assoreado. Mas o lago tem a represa, que a segura água”, completa ela. Como solução, Silvia sugere o plantio de mudas em áreas de matas ciliares, a proteção do cerrado e a recuperação das veredas, onde se situa a maioria das nascentes. A sugestão é compartilhada por Leandro Gabriel da Costa, do Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto São Francisco.

 

O ambientalista Ivan Chagas Campos, que mora em Belo Horizonte, conta que, há uma década, percorre o Velho Chico anualmente, em uma expedição que viaja de Três Marias a Pirapora. Em agosto deste ano, ele voltou a participar da expedição e teve dificuldades para fazer a viagem, pois o caiaque dele encalhou três vezes nos bancos de areia no meio do rio. Ele salienta que o aumento do volume de água em função das últimas chuvas não significa que os problemas do Rio da Unidade Nacional foram resolvidos. “As chuvas recentes serviram para acalentar um pouco o rio, não foi a “salvação da lavoura”, pois o problema não é visível. O São Francisco está demasiadamente raso e só quem conhece o rio mais a fundo, como eu, consegue perceber o quanto ele perde fôlego”, relata.

15-12-2014