Ibama desbarata braço da máfia do carvão em Rondônia

O Ibama em Rondônia, por intermédio de ação de inteligência ligada à Operação Portal, detectou indícios de transações ilegais no comércio de carvão para empresa situada no estado da Bahia.

A indústria fiscalizada movimentou virtualmente, entre os dias 12 e 17 deste mês, cerca de 6.500 metros de carvão, o suficiente para carregar mais de 100 caminhões.

Com essas informações, uma equipe de fiscalização diligenciou até a empresa comerciante, localizada no município de Buritis (RO), e constatou que a mesma não possui fornos para produção de carvão e tampouco tem licenciamento para tal, ratificando a suspeita da comercialização de créditos virtuais.

A Superintendência do Ibama na Bahia foi acionada para realizar ação na empresa receptora, constatando-se que ela não existe no endereço cadastrado, podendo se tratar de empresa fantasma. As multas lavradas totalizaram mais de 3,5 milhões de reais e a empresa foi embargada. Os autuados foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Civil de Buritis para adoção dos procedimentos criminais.

Máfia do carvão
O carvão produzido ilegalmente com matéria-prima oriunda de desmatamentos criminosos em áreas da Amazônia, Cerrado e Caatinga é "esquentado" com créditos virtuais provenientes de empresas, principalmente, dos estados do Pará, do Mato Grosso e, agora, de Rondônia. Esse carvão, já legalizado, é comercializado com siderúrgicas de Minas Gerais e Pará, dando destino lícito para subprodutos florestais ilegais.