Aquecimento vai reduzir a água potável, diz especialista



O aumento da temperatura do planeta, como resultado das emissões de gases do efeito estufa, vai piorar o panorama de falta de água potável no mundo. A mexicana Blanca Jiménez Cisneros, diretora da Divisão de Ciência da Água da Organização Educacional, Científica e Cultural das Nações Unidas (Unesco) e membro do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC), prevê queda de 20% no suprimento de água potável, em média, a cada 1ºC de aumento na temperatura mundial - e o IPCC alerta que esse acréscimo pode chegar a 2°C em 2100. Em regiões críticas, o acesso pode ser reduzido em 90%.

 

A crise de abastecimento e a seca em São Paulo, segundo ela, decorrem da mudança climática: a chuva não acontece quando mais a água é necessária. Quando há precipitações intensas, a maior parte não tem como ser armazenada.

A metrópole paulista, segundo Blanca, padece de um mesmo equívoco de outras cidades do mundo: a poluição dos rios. Para enfrentar esse desafio, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo Blanca Jiménez receita a construção de aquíferos, em vez de reservatórios vulneráveis à evaporação, o reúso da água e um exame de consciência generalizado.

 

Quais os riscos do aquecimento global para a água potável?

 

A elevada demanda de água, de um lado, e os padrões de extração e de contaminação, de outro, colocaram em risco o fornecimento de água potável em muitos lugares. O problema adicional da mudança climática tem dois aspectos. Primeiramente, de quantidades menores em regiões áridas, semiáridas e temperadas. A natureza não provê o volume anual necessitado pelas pessoas. Em segundo lugar, há a qualidade. Quando há menos quantidade, a contaminação fica mais concentrada e, com chuvas mais intensas, a poluição é arrastada para fontes de água potável.

 

Conforme os cenários registrados no relatório do IPCC, qual será a disponibilidade de água potável no final do século?

 

Sem considerar a mudança climática, se continuamos com os mesmos padrões de uso de água, teremos crise em poucas décadas. Com a mudança climática, isso será em três ou quatro décadas, dependendo da região. O aumento da temperatura provocará mais secas, inundações e poluição da água. Nos cenários do IPCC, há um exercício sobre a disponibilidade de água subterrânea. Cada 1ºC de aumento na temperatura faz com que, em média, 7% da população mundial perca 20% da água potável disponível. São números preocupantes. Em zonas onde já há crise, a população afetada pode chegar a 90%. São regiões áridas e semiáridas tropicais, onde estão países em desenvolvimento: partes da África, do México, do Nordeste do Brasil.

 

O Sudeste do País está enfrentando uma intensa seca e crise de abastecimento de água...

 

A mudança climática está afetando a quantidade de chuva que cai atualmente. De repente, chove mais quando não se necessita e chove menos quando mais a água é necessária, como no verão. Chuvas extremas estão previstas como resultado do aquecimento global e, nesse caso, há a menor capacidade de armazenamento. A água é perdida.

 

Como se adaptar?

 

A primeira preocupação deve ser com o manejo do uso. Devemos nos perguntar se a quantidade de água que estamos usando é a que realmente necessitamos e se podemos exercer as mesmas atividades com menor quantidade. Por exemplo, uma descarga regular de banheiro pode lançar de 20 a 40 litros de água, mas há modelos novos que usam só 3 litros. A segunda preocupação deve ser com o reúso e a reciclagem da água.

 

O armazenamento em grandes reservatórios para áreas urbanas é receita ainda válida?

 

Em alguns lugares, a perda atual (por evaporação) é de 30% a 40%. Uma das medidas em estudo é a construção de aquíferos.

 

E a questão dos rios poluídos, como o Tietê e o Pinheiros?

 

É o que temos de trabalhar. Em todo o mundo, os rios sempre foram usados como depósito de água contaminada. A maioria das cidades trata parcialmente a água contaminada a ser despejada nos rios, porque é muito custoso, e espera que a natureza finalize o tratamento. Mas, muitas vezes, a natureza já não tem essa capacidade de limpeza.

 

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.