São Paulo vai tratar esgoto e enviar água de reúso para consumo



Em meio a crise hídrica que assola o estado de São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta quarta-feira, 5 de novembro, a construção de duas estações de produção de água de reúso que abastecerão diretamente as bacias dos sistemas Guarapiranga e Alto Cotia.

 

Segundo informações do Estadão, serão as duas primeiras instalações do Estado para captar o esgoto e transformá-lo em água de reúso, que servirá mais tarde para o consumo. Ainda em fase de projeto, as estações têm previsão de entrega para dezembro de 2015.

 

“Na estação do Guarapiranga, vamos gerar 2 metros cúbicos por segundo de água de reúso. Teremos esse valor a mais sendo devolvido ao Guarapiranga independentemente de chuva”, explicou Alckmin. A outra estação será feita na região do Rio Cotia e terá capacidade de produção de 1 metro cúbico por segundo. Cada metro cúbico de água é suficiente para abastecer 300 mil pessoas, segundo o governador.

 

Alckmin também anunciou a construção de 29 reservatórios, que aumentarão em 10% a capacidade de reserva de água tratada na Região Metropolitana. Segundo o governador de São Paulo, a Sabesp vai aumentar a água da Represa Billings para o Sistema Guarapiranga. O volume repassado passará dos atuais 2 para 4 metros cúbicos por segundo. Por essa razão foi reduzida há um mês a água enviada da Billings para a usina hidrelétrica do litoral.

 

As medidas de reforço nos demais sistemas de abastecimento da Região Metropolitana têm como objetivo diminuir a demanda sobre o Sistema Cantareira. Atualmente, 2,3 milhões de consumidores deste último são atendidos pelo Guarapiranga e Alto Tietê.

 

Em 17 de outubro, o EcoD publicou as opiniões do professor Ivanildo Hespanhol (Poli-USP) sobre o reúso de água em São Paulo. Na concepção do especialista, a região metropolitana precisa começar a reusar a água para que o sistema hídrico tenha sustentabilidade.

 

“Nós continuamos trazendo água de fora, produzindo esgoto e não tem nem planejamento para tratá-lo”, criticou Hespanhol. Aproveitando as estações existentes, o sistema de tratamento poderia, de acordo com o professor, ser aprimorado para que essa água fosse destinada para aproveitamento não potável, como o uso industrial. Isso, seria, na opinião do especialista, uma

 

Resistência cultural

 

Existe, inclusive, de acordo com Hespanhol, uma resistência cultural ao uso de esgoto tratado para o abastecimento. “A nossa percepção cultural inibe a utilização de esgoto como água potável ou não potável”, destacou.

 

O professor garante, entretanto, que os processos de reúso podem transformar o esgoto em água e ser usada para qualquer finalidade. Para o abastecimento das cidades, Hespanhol diz que a água de reúso pode ser misturada a água usada normalmente para o abastecimento. “Onde ele seria diluído, teria a qualidade melhorada, voltaria para estação de tratamento, produzindo água”, detalhou.

 

* Publicado originalmente no site EcoD.

06-11-2014