Instituto Mineiro de Gestão das Águas conclui primeira etapa da Rede de Alerta em bacias prioritárias



 

 

O Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) concluiu, na última semana de outubro, a primeira de quatro etapas da campanha para a instalação da Rede de Alerta nas Bacias do Paraopeba, Muriaé, Velha e Sapucaí, consideradas prioritárias. O objetivo é monitorar os períodos de cheia e seca e, consequentemente, conhecer as condições hidrológicas dos principais sistemas hídricos de Minas.

 

Na primeira etapa foram instaladas 11 estações ao longo das bacias do Paraopeba e do Muriaé. Para a escolha da localização de cada uma delas, o Igam baseou-se nas informações dos registros de decretos de situação de emergência ocorridos nos últimos anos, de acordo com dados da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), nos registros de óbitos por desastres naturais, no conhecimento de campo e experiência dos profissionais da área e no Atlas de Vulnerabilidade a Inundações do Estado de Minas Gerais de 2013.

 

De acordo com a gerente de Monitoramento Hidrometeorológico e Eventos Críticos do Igam, Jeane Dantas de Carvalho, com os novos equipamentos o instituto irá incrementar o trabalho da Sala de Situação de Eventos Hidrometeorológicos Críticos. “Será possível unir os dados hidrológicos aos meteorológicos e obter melhores resultados relativos às informações ambientais, hidrológicas e meteorológicas do estado, com melhoria da qualidade das informações aos usuários e ao poder público para tomada de decisões”, destaca.

 

Na bacia do Muriaé foram instaladas cinco estações, sendo três pluviométricas duas fluviométricas. Já no Paraopeba foram instaladas seis estações, sendo quatro pluviométricas e fluviométricas e duas pluviométricas. Para a segunda etapa está prevista a colocação de outras 14 estações ao longo dessa bacia e outras 21 no Velhas e no Sapucaí, totalizando o sistema de 46 estações, com previsão de conclusão até o final de 2015.

04-11-2014