Comitê propõe ações para aliviar problemas no Rio São Francisco



Levantamento de todas as nascentes e córregos que secaram na Bacia do Rio São Francisco, da nascente, no Parque Estadual da Serra da Canastra, à represa de Três Marias, na Região Centro-Oeste, será proposto à Agência Nacional de Águas (ANA) e ao Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam). A decisão foi reafirmada ontem pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), que já havia convocado reunião extraordinária em BH para discutir a crise no Velho Chico, cujo volume caiu de 450 metros cúbicos por segundo para 250 metros.

 

De acordo com o vice-presidente do CBHSF, Wagner Soares Costa, o levantamento vai subsidiar as prefeituras da região no decreto de situação de emergência e facilitar a atuação da Defesa Civil, como também promover ações cabíveis no caso de abastecimento humano e animal. Na reunião, foi ratificada a redução da vazão de Três Marias para possibilitar maior período de manutenção do volume da represa.

 

“Há informações da Cemig, operadora da barragem, que entram 32 metros cúbicos de água na represa e saem 160 metros cúbicos. Isso quer dizer que Três Marias pode chegar a um nível próximo a zero até o final do mês. A redução da vazão de saída para uma quantidade que ainda será analisada vai adiar a ocorrência do volume zero para 60 a 90 dias”, disse Wagner. Essa recomendação, segundo ele, será feita à Operadora Nacional do Sistema de Energia Elétrica do Brasil (ONS).

 

Outra medida a ser proposta é levantar as outorgas existentes para verificar a quantidade de água consumida em irrigação e em abastecimento de indústrias, e aumentar a fiscalização de outros tipos de captação. “Poderá vir a ser adotada a restrição de outorga, conforme o resultado do levantamento.”

 

Na reunião, também chamaram a atenção para o fortalecimento das estruturas de manutenção e conservação do Parque Nacional da Serra da Canastra, como regularização fundiária, melhora do sistema de combate a incêndio e aumentar o número de fiscais e de funcionários. Outro item discutido foi a conclusão da construção da estrada de acesso ao parque, que é de responsabilidade da Companhia de Desenvolvimento das Bacias dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf).

 

“São recomendações que serão feitas aos órgãos executores”, afirmou Wagner Soares. “O Comitê considera que essa não é uma crise pontual, mas sistêmica e que vem sendo provocada ao longo dos anos por uma política desarticulada e por omissão dos governos federal, estadual e municipais. O problema não é somente a nascente da Canastra, mas todas as nascentes de todos os rios que deságuam no São Francisco.”

 

BELO HORIZONTE O prefeito Marcio Lacerda disse que economizar água é sempre importante porque as pessoas recebem em casa água tratada de qualidade e, com a redução do volume dos reservatórios, a ordem agora é não gastar o líquido além do necessário. A capital, segundo ele, é abastecida por três bacias integradas e por enquanto não há notícia de racionamento.

 

SN Com diariodepernambuco.com.br/app/noticia/brasil

08-10-2014