Produto 100% sustentável é raridade no mercado nacional

Você saberia dizer se os produtos que consome carregam o selo da sustentabilidade? Para muitos brasileiros, essa preocupação faz parte da rotina quando vão às compras, mas eles encontram dificuldades porque no país não há certificados desse tipo emitidos pelo governo. O máximo que conseguem são mercadorias e serviços avaliados por organizações não governamentais (ONGs) tendo como base acordos internacionais.

Estanislau Maria de Freitas Júnior, um dos coordenadores da ONG Akatu, que presta informações sobre o consumo consciente, alerta que fiscalizar toda a cadeia produtiva, da quantidade de água gasta na produção, passando pelo transporte do produto até chegar à prateleira, é uma missão dificílima. "Acho que não temos um processo 100 % sustentável. Mas fato é que, além do preço, qualidade, durabilidade e gasto com energia, o consumidor também já começa a exigir o comprometimento com as questões ambientais e sociais", afirma.

Na casa da professora Kátia Regina Bastani, toda a família é incentivada a refletir sobre o consumo consciente. Ela explica que busca por produtos com certificados. Entretanto, argumenta que nem sempre é possível levar tudo o que quer por causa do preço. "Esse é um fator que ainda nos restringe. Mas sempre que posso, opto pelos produtos ecologicamente e socialmente corretos, como os orgânicos", afirma.

Ela diz que o papel do consumidor na busca pela sustentabilidade é fundamental. "Temos que cobrar das empresas e do governo produtos com selos, mas, individualmente, também temos responsabilidades. Você tem que perceber que toda ação depende de uma escolha, gera um impacto ou não", ensina.

Papéis. A certificação do setor florestal é a mais antiga no país. Por isso, é mais fácil encontrar papéis e derivados de madeira com o selo garantindo o cumprimento de certos critérios. O Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) audita e confere a empresas o selo da sustentabilidade. "Seguimos o padrão da FSC, uma ONG alemã que determinou, em 1993, os critérios para o manejo florestal", explica o coordenador de certificação florestal da Imaflora, Leonardo Martins Sobral. O selo é representado por uma arvorezinha.

Ele diz que 60% do total de florestas plantadas no Brasil tem o selo FSC, o que corresponde a uma área de 3,5 milhões de hectares. "Vale lembrar que o reflorestamento contribui, mas não garante que os critérios socioambientais estão sendo cumpridos", observa.