Seca vence rios de Minas



A seca prolongada e atípica deixa cidades mineiras em situação crítica e faz com que rios do Estado atinjam os níveis mais baixos da história. Dados da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) mostram que 148 localidades já decretaram situação de emergência devido à forte estiagem.

 

Em algumas delas, medidas mais severas, como o racionamento de água, foram adotadas na tentativa de amenizar o quadro. No Norte de Minas, o rio São Francisco, famoso pela abundância de águas, registra o menor nível da história. Bancos de areia tomam conta de grande parte do leito.

 

Cenário semelhante é o do rio Verde Grande, que abastece reservatórios da região. “Com 15 metros de profundidade, ele secou pela primeira vez na história”, afirmou o superintendente administrativo da Cedec, major Arnaldo Affonso.

 

Em Gameleiras, que decretou situação de emergência, a única barragem está no limite porque os rios Coronel e Gorutuba, que abastecem o reservatório, não têm mais água. O que resta apresenta mau cheiro e turbidez. “Acreditamos que a água não estará mais própria para o consumo até o fim deste mês”, disse o major.

 

De acordo com a Cedec, há municípios na região sem fonte de renda porque perderam a produção agrícola.

 

RACIONAMENTO

 

Em algumas localidades, o controle no fornecimento de água foi a alternativa encontrada para evitar o fim do abastecimento. É o caso de Itabira, na região Central. Desde a última segunda-feira (15), o serviço é interrompido em toda a cidade das 13h às 20h. Para os moradores, o jeito é se adaptar à nova realidade.

 

Que o diga a administradora Ana Maria Ribeiro, de 38 anos. “No primeiro dia ficamos completamente sem água. Temos que aprender a economizar para não faltar”, reconheceu.

 

Barragem Pureza, em Itabira, está praticamente seca e o fornecimento de água à população foi restringido. O serviço é interrompido diariamente, das 13h às 20h. Foto: Renato Carvalho/ DeFato Online/ Divulgação

 

Segundo a prefeitura, que gerencia o serviço no município, a medida foi tomada porque a barragem Pureza, responsável pelo fornecimento de água a 70% da população, está praticamente seca e opera em capacidade mínima.

 

Em nota, o Executivo garantiu que o “racionamento é uma forma que a autarquia encontrou para garantir que todas as regiões possam receber água de maneira justa e adequada”.

 

AJUDA

 

Para amenizar as consequências da escassez de água em várias partes do Estado, o governo recorre a caminhões-pipa. “A ajuda fica concentrada principalmente na zona rural e nos distritos”, explicou o major. Ao todo, 132 caminhões do Exército e da Defesa Civil garantem o abastecimento de água nas cidades.

 

Até o momento, R$ 7 milhões foram investidos para o socorro às vítimas da seca em Minas. Metade da verba foi usada na contratação de caminhões-pipa. O restante, na compra de cestas básicas para as famílias afetadas.

 

Chuva de outubro não resolve o problema

 

A tão esperada chuva, que deve amenizar os efeitos da estiagem prolongada em Minas, está, na verdade, longe de resolver o problema. A previsão é de que as águas cheguem apenas na primeira quinzena de outubro.

 

Mas com precipitações em forma de pancadas, a situação não deve melhorar. “São chuvas de fim de tarde que não aumentam o volume de água no leito dos rios, apenas trazem uma sensação de conforto no que se refere à umidade relativa do ar”, explicou o meteorologista Heriberto dos Anjos, do Centro de Meteorologia TempoClima PUC Minas.

 

Para que a situação melhore, é preciso que ocorram precipitações contínuas. No entanto, isso só deve ocorrer a partir de novembro.

 

Apesar da data, os meteorologistas não garantem qual será a quantidade de chuva prevista para os próximos meses. “A precipitação de maneira ininterrupta é que irá normalizar os cursos das águas nos rios, fazendo com que os reservatórios e as barragens voltem a ter água de forma segura”, frisou o especialista.

 

Problema

 

A falta de chuvas significativas no Estado nos últimos três anos, segundo o meteorologista, é causada pela ausência de frente fria na região Sudeste do Brasil. “Na tivemos muitas chuvas no verão, o que prejudicou drasticamente os reservatórios naturais de água em todo o país”, destacou.

 

Vazões baixas em reservatórios

 

Por meio de nota, a Copasa informou que, na maioria dos rios localizados em sua área de abrangência no Estado, em 600 localidades, as vazões de junho e julho são as menores não apenas dos últimos dez anos, mas, em alguns casos, inferiores aos dados registrados em mais de cem anos. Até o momento, apenas Pará de Minas (região Central) enfrenta rodízio no abastecimento.

 

O órgão também informou que as quase 600 estações pluviométricas espalhadas pelo Estado registraram precipitações até 40% menores do que os índices médios dos últimos dez anos. Em várias delas, a redução do índice pluviométrico superou os 50%.

 

18-09-2014