Secretário-geral da CNBB critica projeto de novo Código Florestal

Dom Dimas disse nesta quarta-feira (9) que a CNBB se preocupa com alguns pontos do texto em tramitação, entre eles a anistia para pessoas que cometeram crimes ambientais e a redução dos limites ambientais. Ele acrescentou que o novo código ambiental deveria tratar com mais respeito as populações ribeirinhas, povos indígenas e quilombolas.


"Estamos trabalhando para discutir formas alternativas ao relatório [do novo código]. Nossa preocupação é que não seja votado de forma superficial, apressada", afirmou Dom Dimas.

 O relator do novo código florestal em tramitação na Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), admitiu que o texto pode ser aperfeiçoado. Mas ele defendeu que a proposta atual protege os ribeirinhos e indígenas ao reduzir a área de preservação ambiental na beira dos rios. Segundo o deputado, pela legislação atual, as populações ribeirinhas são consideradas ilegais.


O deputado defende ainda que a votação não seja adiada. O presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), já prometeu colocar o tema em votação até o fim desse mês.

 "Nós não temos pressa. A pressa é dos 5 milhões de pequenos agricultores que estão na ilegalidade [com a legislação em vigor]", disse Rebelo.

 Campanha da fraternidade - A CNBB lançou nesta quarta-feira (9) a Campanha da Fraternidade deste ano, cujo tema é preservação ambiental, contra o aquecimento global. A campanha terá o objetivo de promover o debate sobre as razões das mudanças climáticas e suas consequências, como as tragédias ambientais.

 Dom Dimas afirmou que, na campanha, a CNBB pretende fazer críticas aos setores que contribuem com o aumento do efeito estufa. Foram citados o agronegócio e a geração de energia suja, como petróleo, gás natural e carvão. Com esse tema, a CNBB também criticará a exploração de petróleo no pré-sal.

 A Campanha da Fraternidade também deve ajudar abordar a educação ambiental nas comunidades. Dom Dimas citou o exemplo de ensinar a população a não jogar lixo nas ruas, fazer coleta seletiva de lixo e optar pelo uso de energias mais limpas, como a solar.

 "A campanha da fraternidade tem sido caracterizada pela sua capilaridade, o que contribui para a penetração do assunto abordado e sua reflexão", disse Dom Dimas.

 Uma das ações da campanha é a Coleta da Solidariedade em comunidades, paróquias e dioceses. O dinheiro doado será destinado ao Fundo Nacional da Solidariedade e ao Fundo Diocesano da Solidariedade. Um parte dos recursos será destinada a ajudar as vítimas das chuvas na região serrana do Rio.

A Coleta da Solidariedade será feita em apenas um dia, marcado para 17 de abril.