Volume de lixo cresceu 500% na folia de Ouro Preto

 A folia de Carnaval acabou e deixou para trás cerca de 300 toneladas de lixo em Ouro Preto, a cidade histórica mais importante de Minas Gerais, na Região Central. Este volume de material descartado nas ladeiras foi recolhido entre sexta-feira e a Quarta-Feira de Cinzas, segundo a coordenadora do serviço de limpeza urbana do município, Cecília Magalhães. A quantidade de lixo recolhido por mês em épocas normais é de cerca de 50 toneladas, 5 a menos que nos cinco dias de folia. "Estamos acostumados com esse aumento de lixo na cidade, já que recebemos muitos turistas". Foram 40 mil nesta edição da festa.

 As toneladas de lixos jogadas nas ruas das cidades históricas pelos foliões durante o Carnaval representam o descaso em relação ao patrimônio cultural. É o que afirma o coordenadorgeral de projetos da Defender - Organização da Sociedade Civil de Defesa do Patrimônio Histórico, Telmo Padilha Cesar. Ele defende que cidades como Ouro Preto, que há 30 anos ganhou da Unesco título de Patrimônio Cultural da Humanidade, não recebam grandes públicos nestas festas.

 Telmo acredita haver omissão do poder público ao permitir este tipo de evento em cidades que deveriam ter a preocupação voltada para a conservação. Para ele, os interesses econômicos falam mais alto, e festas que geram grandes lucros, como o Carnaval, acabam prevalecendo sobre os interesses culturais e a preservação.
"Este público temporário não tem a mínima consciência do que a cidade representa. Eles não estão na cidade pelo seu valor histórico, e sim pela festa, que poderia acontecer em qualquer outro lugar, menos no Centro Histórico. Então, estes foliões não se preocupam com os danos que podem provocar jogando lixo nas ruas, urinando em vias públicas entre outros comportamentos inadequados".

 Em entrevista publicada na edição de quarta-feira do Hoje em Dia, o prefeito de Ouro Preto, Ângelo Oswaldo reconheceu que a cidade não comporta a quantidade de turistas recebidos neste feriado, cerca de 40 mil. Por outro lado, disse que a cidade não pode viver sem visitantes. "Tomamos o cuidado de isolar os monumentos, de disponibilizar banheiros químicos por toda a cidade e de colocar às ruas todo nosso efetivo policial, com Guarda Municipal, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros". Para manter as ruas de Ouro Preto limpas durante o feriado, a varrição foi reforçada. Foram escalados 120 garis, contra 57 em dias normais.