Copasa realiza ações na capital no Dia Mundial do Banheiro

Ingressamos no século 21 há mais de dez anos. Na era da revolução do conhecimento, uma preocupante constatação: 15% da população mundial ainda não têm acesso a banheiro; no Brasil, quase 7,2 milhões de habitantes vivem nesta realidade. O maior índice do planeta neste quesito, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). No Dia Mundial do Banheiro (Toilet Day), 19 de novembro, a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) realizará evento para um convite à reflexão sobre a importância do esgotamento sanitário para a qualidade de vida da população. A ação será na rua Carijós, quarteirão da praça Sete, entre avenida Afonso Pena e rua Espírito Santo, das 8h às 16h. Quem passar pelo local, terá a oportunidade de conhecer a situação do saneamento no Brasil e no mundo, retratada em uma instalação artística que reúne 60 vasos sanitários.

Pelo inusitado, a Copasa busca despertar a consciência crítica do cidadão, chamando a atenção sobre a importância do saneamento para a saúde pública e preservação ambiental. Entre os temas abordados, constam informações sobre esgotamento sanitário e os benefícios de sua implantação, incidência de doenças causadas por condições inadequadas de saneamento, entre outros.

Para a gerente da Divisão de Relações Públicas da Copasa, Sônia Gandra, o evento busca sensibilizar as pessoas sobre o valor de se ter água e esgoto tratados, já que são serviços que fazem parte do dia a dia da população, mas nem sempre são percebidos. “O tratamento do esgoto é fundamental para a sustentabilidade do planeta”, analisa. Sônia explica que o processo depende das atitudes ambientalmente corretas do cidadão, como conectar a rede de esgoto do seu imóvel à da Copasa. “Além de fazer a ligação à rede, o morador precisa usar adequadamente esse mecanismo, não jogando lixo pelo ralo da pia nem do banheiro e limpando a caixa de gordura regularmente”, orienta. A gerente explica, ainda, que, para dialogar com o público e trazer com mais clareza a importância do tratamento de esgoto, a Copasa levará os vasos sanitários à praça Sete, mostrando que as redes de esgoto são patrimônios.

Após a ação no centro de Belo Horizonte, de 20 a 24 de novembro, a instalação com os 60 vasos sanitários ficará exposta na entrada do galpão do Centro Mineiro de Referência em Resíduos (CMRR), que fica à rua Belém, 40, no bairro Esplanada. A peça integrará o circuito de intervenções artísticas da Semana Mineira de Redução de Resíduos. Realizada pelo CMRR, Fundação Israel Pinheiro, Servas, Feam e Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a semana está em sua quarta edição e tem por objetivo mobilizar a sociedade para que ela própria tome consciência e participe de forma efetiva das soluções para a questão dos resíduos gerados pela sociedade.

Vilões da história

O visitante da exposição receberá dicas para o bom funcionamento da rede de esgoto em sua casa e vai conhecer os Vilões do Esgoto, personagens que representam os inimigos das redes, como cotonete, fio de cabelo, guimba de cigarro, fio dental, óleo de cozinha e preservativo.

Problema frequente na rede de esgoto, o lixo lançado indevidamente nas ruas, cursos de água e pelos ralos e vasos sanitários traz transtornos à Copasa. Diariamente, a empresa retira 45 toneladas de resíduos das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Considerando as ETEs operadas pela Companhia em todo o Estado, o volume de lixo removido chega a 100 toneladas ao dia.

Jogar lixo na rede de esgoto pode gerar contratempos como entupimentos, retorno do esgoto nos imóveis, além de elevar os custos do processo de tratamento. Anualmente, a Copasa gasta cerca de R$3 milhões para retirar resíduos das ETEs. Com esse montante, é possível construir uma estação para tratar o esgoto de um município de 12 mil a 15 mil habitantes.

 Dia Mundial do Banheiro

 O Dia Mundial do Banheiro (Toilet Day) foi criado pela ONU, em Assembleia Geral, realizada em 24 de julho deste ano, que oficializou 19 de novembro para celebração do tema. A resolução foi sugerida pelo governo de Cingapura, país localizado no sudeste asiático. A data será lembrada anualmente para reforçar a conscientização sobre a necessidade de toda a população ter acesso ao saneamento, além de incentivar os países a acelerar progressos rumo a um mundo onde todas as pessoas desfrutem de direitos básicos.

De acordo com a ONU, uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso a um banheiro adequado, ou seja, cerca de 2,5 bilhões. Ainda segundo a Organização, quase 2 mil crianças morrem todos os dias por diarreia, uma enfermidade que poderia ser prevenida. Além disso, mais de 1 bilhão de pessoas fazem suas necessidades ao ar livre.

No Brasil, a falta de saneamento básico é a principal causa da morte de crianças com até 5 anos, conforme informações divulgadas pelo Instituto Trata Brasil. No cenário mundial, essa deficiência gera, para os países em desenvolvimento, perdas econômicas de US$ 260 bilhões todos os anos.