Aumento dos conflitos de terra, assassinatos e conflitos pela água são destaque do relatório anual da CPT

Na tarde de ontem, 22 de abril, a Comissão Pastoral da Terra (CPT) lançou, durante ato no Acampamento Hugo Chávez, ao lado do Incra do DF, em Brasília, a 28ª edição da publicação Conflitos no Campo Brasil 2012.

 

No ato foram apresentados os dados de conflitos no campo no ano de 2012, que somaram 1.364, os conflitos por terra, 1.067, e os assassinatos, que somaram 36 nesse último ano. Um aumento de 24% em relação ao ano de 2011. Além disso, Antônio Canuto, secretário da coordenação nacional da CPT destacou que desses assassinados, 7 já haviam recebido ameaças de morte. O que demonstra que está se cumprindo as promessas de morte nos conflitos no campo, em detrimento da inoperância do estado nesses casos. Além disso, Canuto destacou a impunidade que persiste em nosso país, e que ficou clara na absolvição do mandante do assassinato do casal de extrativista de Nova Ipixuna (PA), José Cláudio e Maria do Espírito Santo, em julgamento realizado no início do mês de abril. O casal já havia recebido várias ameaças de morte.

 

Os conflitos pela água subiram de 68, em 2011, para 79 nesse último ano. A CPT registrou, também, conflitos em tempo de seca em 2012. Ocorreram 36 em seis estados do país.

 

Além disso, houve um aumento expressivo no número de tentativa de assassinato. Passou de 38, em 2011, para 77 em 2012. Carlos Walter Porto Gonçalves, professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) destacou as comunidades tradicionais como foco das ações de violência no campo.

 

Rosimeire dos Santos, quilombola representante do Quilombo Rio dos Macacos, na Bahia, compartilhou a situação atual do quilombo, de tensão e opressão que sofrem por ação da Marinha. Segundo Rosimeire, “perdi pessoas da minha família e outros quilombolas, pois não podíamos ter acesso a saúde. A Marinha nos impedia de ir buscar atendimento”. O Quilombo vive um processo de tensão com a Marinha há muitos anos, que não reconhece o direito deles sobre o território que ocupam há séculos.

 

Mística e intervenção de dom Tomás Balduino lembram os mortos no campo

 

A mística que abriu o ato de lançamento dos dados dos conflitos lembrou os militantes assassinados em conflitos no campo em todo o Brasil. Dom Tomás, conselheiro permanente da CPT, também destacou a importância da memória desses lutadores e lutadoras, e como a ainda viva esperança daqueles que estão no acampamento Hugo Chávez, anima a luta.

 

Alexandre Conceição, da direção nacional do MST, chamou a todos, em um abraço coletivo, a garantir a unidade da luta no campo, em prol da libertação da terra e da garantia do direito a terra e territórios.

 

O ato reuniu os militantes do MST acampados no acampamento Hugo Chávez, representantes da CPT, da Cáritas, da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), da Contag, parlamentares, representante do Greenpeace e da Via Campesina Sul América. Os dados do relatório já estão disponíveis no site da CPT, no link http://www.cptnacional.org.br/index.php/noticias/12-conflitos/1549-conflitos-no-campo-brasil