Pesquisa do INPE sobre energia eólica concorre a prêmio internacional

Pesquisa sobre Energias Renováveis realizada no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) com o apoio do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas (INCT-MC) concorre ao Eni Award 2013 - prêmio concedido pela Eni – empresa italiana do setor energético. O resultado será divulgado em abril.

Os organizadores da iniciativa consideraram que o artigo “Os impactos das mudanças climáticas globais na densidade da potência eólica no Brasil”1, de autoria dos pesquisadores Ênio B. Pereira, Fernando R. Martins, Marcelo P. Pes, Eliude I. da Cruz Segundo e André de A. Lyra, atendeu plenamente aos critérios do regulamento e formalizaram o convite à candidatura.

A produção de energia eólica no Brasil tem aumentado nos últimos anos. De 2003 a 2009 a produção cresceu de 22 MW para 602 MW, graças ao Proinfa (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica), do governo federal. Outros 256,4 MW devem ser acrescidos à produção atual, segundo o artigo. No entanto, os projetos de longo prazo nesse setor não consideram os ainda desconhecidos impactos das mudanças climáticas sobre esse tipo de energia. O estudo avalia esses impactos utilizando previsões de um modelo climático e analisando as tendências a partir de uma série histórica climatológica, em regiões selecionadas do território nacional. Os resultados indicam um cenário favorável à exploração de energia eólica no Brasil a longo prazo.

Das 15 séries históricas analisadas pelos pesquisadores, 50% apresentaram tendência positiva em relação ao aumento de potência eólica, enquanto 20% apresentaram tendência negativa. As demais séries não apresentaram alteração significativa. Pela análise dos dados, é possível esperar que, de maneira geral, os impactos das mudanças climáticas globais na potência eólica nas regiões do nordeste e sul do Brasil podem ser favoráveis à rentabilidade de atuais e futuros projetos eólicos. Os autores, entretanto, fazem a ressalva de que as incertezas do modelo climático global e dos cenários deixam abertas discussões futuras.

O prêmio

Energias Renováveis é uma das cinco modalidades compreendidas pela iniciativa da Eni, que também reconhece as pesquisas nas áreas de: Novas fronteiras dos hidrocarbonetos, Proteção do ambiente, Iniciação Científica, e Reconhecimento à inovação Eni. O objetivo dessa modalidade é promover a pesquisa e inovação sobre fontes energéticas alternativas. O prêmio por categoria é de 200 mil euros e uma medalha de ouro.

É premiado o pesquisador ou grupo de pesquisadores que tenham obtido relevantes resultados de pesquisa e desenvolvimento no campo das fontes renováveis de energia, em âmbito internacional. Os critérios considerados são: originalidade da ideia; potencial de inovações radicais resultantes da ideia; potencial de desenvolvimento; nível de viabilidade tecnológica; campo de aplicação da inovação; adequação dos aspectos econômicos e tecnológicos; impacto potencial sobre o sistema energético; carta de apresentação.

Sobre a Eni

A Eni é uma das maiores empresas do setor energético no mundo e opera nas áreas de exploração e produção de gás e petróleo, transporte internacional e comercialização de gás, geração de energia, refino e venda de derivados de petróleo, química, engenharia e construção. Está presente em 85 países, gerando 79 mil empregos.