Amda alerta Secretário de Meio Ambiente sobre despejo de esgoto no Rio Preto

Em ofício enviado hoje (11) ao Secretário de Estado de Meio Ambiente de Minas Gerais, Adriano Magalhães, a Amda alertou acerca da poluição do Rio Preto ocasionada por despejo de esgoto, conforme denúncia feita à entidade, e solicitou providências a respeito. Uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) na região, no bairro do Campo, está sendo projetada. No entanto, até o momento, há no local uma fossa coletiva que despeja esgoto diretamente em suas águas.

 No documento ao Secretário, a Amda relembra que foi a mobilização da população local, liderada pelo atual gerente do Parque Estadual do Rio Preto, que impediu mineração de diamante no leito do rio e garantiu sua integridade, transformando a área em ponto turístico e espaço de lazer. "A atual administração, porém, infelizmente repete um comportamento típico de quase todos os municípios no que se refere a questões ambientais: canalizou águas pluviais diretamente para os poços utilizados, ao invés de jogá-las abaixo dos mesmos", afirma Dalce Ricas, superintendente executiva da Amda.

 Somente no ano passado, o município de Rio Preto recebeu R$640.000,00 de ICMS ecológico. No entanto, a administração municipal parece não se importar com aspectos ambientais. "Sabemos que infelizmente a Lei não vincula nem mesmo percentual à área ambiental, e que a Semad não tem como fazer qualquer restrição. Mas, no que se refere à poluição do rio, entendemos que é possível tomar medidas sob abrigo legal de proteção das águas", declara Dalce.

 

No ofício, a Amda solicita vistoria e respectivo relatório sobre o fato, pedindo esclarecimentos inclusive sobre qual é o papel da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) neste contexto.