Empresa de tratamento de resíduos tem serviço suspenso

O tratamento de resíduos industriais e de serviços de saúde, com alto poder de contaminação, tem amedrontado moradores do bairro Novo Eldorado, com Contagem na região metropolitana. O serviço é feito pela VH Clean - Soluções Ambientais, que fica no bairro vizinho (Cinco) e teve seu funcionamento suspenso, no último dia 9 de fevereiro, pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Sema). O motivo do embargo foi a constatação de irregularidades na manutenção e disposição do lixo.

Agora, há denúncias de vizinhos de que, mesmo sem licença, a empresa ainda estaria em funcionamento. Um deles chegou a tirar fotos que mostram o despejo de materiais no local. Dois clientes da VH Clean, o Hospital Risoleta Tolentino Neves, em Venda Nova, na capital, e a Prefeitura de Brumadinho, também confirmam a versão. Eles informaram esta semana que continuam utilizando normalmente os serviços da terceirizada para o tratamento dos resíduos.

De acordo com Márcio Lima, coordenador de Controle Ambiental da Prefeitura de Contagem, o funcionamento da VH Clean sem a correção das falhas identificadas pode ocasionar riscos ao ambiente e à saúde humana. Durante a vistoria na empresa, foram encontrados resíduos armazenados fora da área de contenção, que é cercada por canaletas que impedem a passagem de produtos para outros ambientes. "Em caso de vazamento, por exemplo, há risco de produtos químicos atingirem o lençol freático", afirmou.

Segundo Lima, a VH Clean começou a operar com licença ambiental em 2008 e, desde então, já foi alvo de diversas denúncias de irregularidades. Como a empresa faz incineração de resíduos, moradores reclamam da emissão de fumaça preta no local. "A gente vive com medo de doenças", disse o morador que preferiu não se identificar. No entanto, a secretaria de meio ambiente informou que não constatou irregularidades no lançamento de poluentes.

Fiscalização

Suspeitas. A Sema informou que não tem qualquer comprovação de que a VH Clean esteja funcionando após o embargo e que, em caso de denúncias, são feitas vistorias no local para averiguar as suspeitas.

 Saúde

Especialistas alertam para os perigos dos materiais

Para especialistas, o armazenamento de resíduos industriais e médicos exige cuidados rigorosos por serem elementos de veiculação de doenças. Entre os materiais há substâncias químicas, inflamáveis, corrosivas, radioativas e cancerígenas que causam sérios danos à saúde humana e ao meio ambiente.

A engenheira sanitarista Maeli Estrela Borges, diretora da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), afirma que os mais perigosos são os destinados à incineração, que apresentam alto risco na disseminação de patologias e epidemias. "É o caso de medicamentos e outros resíduos que tiveram contato com doenças", explicou.

O engenheiro sanitarista e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Raphael Tobias Vasconcelos Barros informou que há metais pesados, presente em produtos industriais, que afetam o sistema nervoso e podem até matar. (LC)

 Empresa diz que não está em atividade

A VH Clean admitiu, no fim da tarde de ontem, que houve erro humano no armazenamento de resíduos fora da área de contenção, mas que essa e outras irregularidades foram sanadas de imediato. "Já apresentamos nossa defesa e esperamos que o embargo seja cancelado com urgência", afirmou Romero Araújo, advogado da empresa. Ele disse ainda que VH Clean não está funcionando e que os resíduos que seriam incinerados no local estão sendo repassados para empresas parceiras. (LC)