IMA alerta criadores sobre abrigo de morcegos que transmitem raiva

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) intensificando as ações de controle da raiva recomenda que os criadores de gado comuniquem a existência de abrigos de morcegos, ocorrências de mordeduras e mortes nos rebanhos cuja causa seja considerada desconhecida. Ainda segundo o IMA, é necessário que o animal seja vacinado no primeiro dia de vida e que repita a aplicação em 30 dias. A partir daí, a imunização deve ser feita anualmente.


Segundo o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, a imunização dos animais é uma importante colaboração dos produtores rurais. "A vacina é preventiva, não curativa, por isso orientamos o produtor a vacinar anualmente seus animais contra a raiva, sempre notificando o IMA sobre qualquer ocorrência da doença".


Prevenção


O IMA realiza um trabalho permanente de combate ao morcego hematófago, que é o transmissor da raiva. Em 2010, técnicos do Instituto cadastraram e revistoriaram 3007 abrigos em todo o Estado. Desses, em 1464 foram encontrados 4868 morcegos hematófagos.
As ações para prevenção e controle da doença envolvem equipes especializadas que, após cadastrarem os abrigos, fazem a captura dos morcegos em redes e equipamentos específicos. Presos, eles recebem nas costas uma pasta (vampiricida) e são soltos novamente. De volta ao abrigo, contaminam-se uns aos outros, pois esses animais têm o hábito de se lamberem, causando a morte por hemorragia.


Foco


Para conter o foco de raiva encontrado em Perdões, Sul de Minas, uma equipe de técnicos do IMA está visitando as propriedades da região fazendo um trabalho de educação sanitária, em que os criadores recebem orientações sobre os riscos da doença transmitida pelos morcegos hematófagos.
Além disso, está sendo realizando um levantamento dos possíveis abrigos junto aos produtores rurais. Esse é um trabalho realizado constantemente pelo IMA e intensificado nessa região, devido ao foco ali localizado.


De acordo com o veterinário do Instituto, responsável pelo Programa de Raiva em Minas Gerais, Márcio Geraldo Ribeiro, a imunização dos animais é feita pelos produtores e os focos podem ocorrer devido ao manejo inadequado da vacina. "Muitas vezes o animal deixou de ser imunizado ou foi vacinado já com a doença incubada que só mais tarde se manifestou. Acontece ainda a má conservação da vacina, aplicação inadequada do produto ou no animal debilitado", alerta.
O IMA cadastrou e vistoriou 19 abrigos de morcegos na região de Perdões, atendendo dez propriedades no ano passado.

 

"Agência Minas",11/2/2011