Na onda verde

Para atender demanda de clientes, conscientes da necessidade de preservação ambiental, rede hoteleira conta com atuação ecologicamente correta por parte das construtoras

A sustentabilidade é, hoje, preocupação de pessoas do mundo todo. De olho nessa realidade, as empresas têm buscado adequar sua forma de atuação para atender as exigências desses consumidores, cada vez mais conscientes da necessidade do desenvolvimento de práticas ecologicamente corretas.

Em tempos de crescimento acelerado na construção civil e com a chegada de eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, as atenções se voltam para o ramo da hotelaria. Além dos esportes, o turismo de negócios movimenta o setor, que se depara com o desafio de atender as exigências de empresas, que, muitas vezes, dão preferência a hotéis que tenham o Selo Verde, certificação ambiental que identifica os produtos que causam menos impacto ao meio ambiente.

A arquiteta Estela Netto confirma que a consciência ambiental é uma realidade. Tanto que nenhum projeto sai de seu escritório sem esse tipo de preocupação. "Todas as pessoas querem fazer sua parte pelo meio ambiente e ainda se beneficiar de economias geradas com essas ações."

Algo ainda muito novo, segundo o diretor de operações da Vert Hotéis, Acácio Pinto, a sustentabilidade vem se tornando realidade nos projetos de cinco anos para cá. Segundo ele, a demanda foi gerada por grandes empresas, "que passaram a valorizar fornecedores com foco na sustentabilidade e, com isso, passaram a gozar de crédito de carbono e outros benefícios como medidas compensatórias."

Apesar de recente, esse processo é natural e sem volta, acredita Acácio. Mas para que atitudes ambientalmente corretas sejam mais difundidas é preciso que grandes corporações façam a sua parte. "Os grandes detêm o poder de mudar a política de sustentabilidade. Basta ditarem as regras que o mercado como um todo é obrigado a acompanhar ou ajustar sua postura", acredita.

Nessa linha de atuação, a Accor Hotels lançou, em 2000, a Carta Ambiental, com diretrizes a serem seguidas pelos hotéis da rede. De acordo com Jânio Valeriano, diretor de empreendimentos do Grupo Maio/Paranasa, responsável pela incorporação e construção dos hotéis operados pela Accor, ao longo desses 11 anos 50 itens foram incorporados aos 15 iniciais.

A demanda por projetos sustentáveis vem ao encontro de uma realidade que faz parte do mundo atual. "É resultado da consciência da necessidade de preservação ambiental, cada vez mais presente em todos os segmentos econômicos, e das exigências também crescentes por parte dos consumidores de produtos e serviços", diz Jânio.

Por isso, empresários de empreendimentos comerciais e corporativos têm procurado cada vez mais esse viés na arquitetura, como salienta Estela. "Tendo em vista que, além dos benefícios gerados para o planeta e para a própria economia, tem a questão da imagem da empresa, todos querem ser e se mostrar sustentáveis para o mercado, já que isso hoje em dia é de grande valor para a sociedade."

CURSOS Uma das empresas que buscam locais em que haja preocupação com a sustentabilidade para realizar seus eventos é o Instituto Hoffman, que promove cursos voltados para a ecologia interna, como conta seu diretor terapêutico, Jaime Maciel. "Para que a pessoa possa olhar para aquilo que aprendeu durante a vida e, a partir de uma visão ampla e profunda de toda essa bagagem, eliminar as atitudes que não servem mais. Para fazer esse trabalho, buscamos um local que tenha cuidado com a vida."

O lugar escolhido para a realização dos cursos, que são procurados também por grupos de empresas de todos os portes, é a Pousada Mirante do Café, em Ouro Preto. Nela, é fortalecida a cultura local e a preservação do meio ambiente. "Além disso, as pessoas que trabalham lá são do entorno", acrescenta Jaime.​