Conciliação entre preservação ambiental e desenvolvimento é discutida no Seminário Código Florestal Brasileiro e Responsabilidade Territorial e Urbana

Na tarde de segunda-feira, dia 28 de novembro de 2011, no primeiro dia do Seminário Código Florestal Brasileiro e Responsabilidade Territorial e Urbana, foram debatidos os impactos da aplicação do Código Florestal e a questão da conciliação da preservação ambiental e desenvolvimento.

Os palestrantes Glauber Pinheiro, presidente da Sociedade Brasileira de Engenharia Florestal, e o idealizador do projeto Manuelzão, Apolo Heringer Lisboa, falaram sobre o tema "Impactos da aplicação do Código Florestal Brasileiro e os Conflitos ambientais em Minas Gerais".

Ambos falaram de suas preocupações com a reforma do código florestal. Segundo Glauber, "nessa discussão, os interesses são diversos, não há consenso, é uma discussão ideológica". Apolo destacou que tem preocupações estratégicas porque "não podemos resolver essa discussão pensando apenas nessa geração, pois estamos lidando com interesses intergeracionais".

Preservação ambiental em APPs urbanas versus desenvolvimento

Na segunda mesa-redonda, Marta Alves Larcher, promotora da Coordenadoria Estadual das Promotorias de Justiça de Habitação e Urbanismo comentou sobre Áreas de Preservação Permanente urbanas no novo código florestal e o engenheiro civil Benerval Alves Laranjeira Filho, assessor da presidência da FEAM, explicou sobre o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos.

Para encerrar a programação do primeiro dia de evento o palestrante José Chacon de Assis da Federação das Associações de Engenheiros e Arquitetos do Rio de Janeiro falou sobre os processos ​de desflorestamento e impactos sobre o meio urbano e rural.