Reciclagem:Bactéria come rejeito mineral e devolve ouro

São paulo. Duas pequenas bactérias mineradoras que comem ouro podem ajudar a indústria extrativa no Brasil a combater um dos maiores problemas do garimpo atualmente: os rejeitos.

Resíduos de minério que sobram da extração se transformam em pilhas de metais pesados nas proximidades das minas que muitas empresas simplesmente não conseguem tratar. Mas o trabalho parece ser fácil para esses micro-organismos.

O Instituto de Química de Araraquara, da Universidade Estadual Paulista, é o primeiro do país a realizar comercialmente o chamado processo de biolixiviação com a ajuda das bactérias
Acidithiobaciollus oxidans e Acidithiobacillus ferroxidans. Elas comem o minério e expelem o metal. O processo pode ser usado para ouro, níquel e cobre.

"É um projeto patenteado. A bactéria retira do minério os minerais que não podem ser dispostos na natureza", explica a professora Denise Bevilaqua, responsável pelas pesquisas.

Segundo a especialista, as empresas resistem a tratar os resíduos porque não existe regra mais rigorosa que as obrigue.

Ela destaca que o processo ajuda a limpar o ambiente e permite aos produtores um aproveitamento de quase 100% da extração do metal. Atualmente, no caso do ouro, 7% do que é extraído não podem ser retirados dos minérios.