"Inventário das Árvores de BH" já esta nas ruas

Técnicos da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), parceiros da PBH e da Cemig no projeto do "Inventário das Árvores de BH", estão, desde o início do mês de outubro, fazendo a coleta de dados das primeiras árvores na cidade. Até o momento, aproximadamente 2.700 já foram inventariadas e os dados já estão sendo enviados, através de "tablets", para o sistema, criado pela Prodabel, que fará a captação e cruzamentos de todas as informações.
O levantamento dará à Prefeitura dados importantes em diversas questões relacionadas às árvores. Com o sistema implantado pela Prodabel, será possível gerar uma lista com o endereço/localização de todas as árvores, analisar o estado fitossanitário (saúde da árvore), a realização de uma análise preventiva, bem como a identificação do vasto número de espécies.

Segundo Márcia Mourão, Gerente de Gestão Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, dentro desse monitoramento é feita uma análise criteriosa, a partir de um questionário com 57 itens a serem verificados. "Entre os itens, destacam-se aqueles relacionados à saúde da árvore e, caso seja verificado algum risco, tanto a população quanto a árvore, medidas serão tomadas automaticamente pela Prefeitura para que acidentes sejam evitados", destacou Márcia.

A Regional Leste foi escolhida para o início dos trabalhos por estar próxima à SMMA que está servindo de base para todo o processo. Márcia Mourão citou, por exemplo, o trabalho no bairro Santa Inês que já revelou alguns dados importantes, como o fato de o mesmo contar com cerca de 30% da arborização total em imóveis frontais, quando a estimativa da PBH é de 17%. "A regional leste foi a escolhida para o início dos trabalhos, pois a trata-se de uma região de Belo Horizonte que ainda possui um grande número de casas. Isso é importante, pois o inventário não irá analisar apenas as 250.000 mil árvores, estimadas, em locais públicos, mas também as árvores em locais particulares que estejam a cinco metros da rua", concluiu Márcia.

O projeto

O projeto do "Inventário das Árvores de BH" é um importante convênio assinado no início de 2011, entre a PBH, Cemig e a Universidade Federal de Lavras (UFLA). O inventário tem a expectativa de que, pela extensão do trabalho, cerca de 300 mil árvores sejam estudadas, cadastradas e incluídas no Sistema de Informações do Inventário de Árvores de Belo Horizonte (SIIA-BH) a instalado no DataCenter da Prodabel, gerando novas e importantes informações quase que diariamente.

Na época da assinatura do convênio, Márcia Mourão fez questão de alertar que o ambicioso projeto, até por seu pioneirismo, passaria por várias etapas e a sua efetiva realização demandaria alguns meses. Neste período, também foi providenciado todo o processo licitatório de aquisição do material técnico de trabalho a ser utilizado na realização do inventário e desenvolvido, em conjunto com a Prodabel, o software para armazenar e realizar o cruzamento dos dados a serem levantados, bem como o treinamento dos técnicos da UFLA com o novo software.

A previsão de conclusão dos trabalhos de coleta dos dados sobre as árvores é de 12 meses, além da manutenção do sistema e equipamentos por até 12 meses após a conclusão dos serviços. É importante frisar que os dados são acumulativos, ou seja, a partir do início da coleta, eles já estão sendo utilizados por todos os órgãos envolvidos na questão ambiental e no monitoramento arbóreo. Após a conclusão do inventário, os técnicos da SMMA e Regionais terão mais informações sobre cada árvore avaliada e farão a atualização imediata dos seus dados. A conclusão é que todo o processo e o volume de informações precisas e atualizadas irão permitir um maior monitoramento e planejamento do plantio, poda e supressão de árvores na capital.