Estudo pode alterar local de ETE em São Gonçalo do Abaeté

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Assembleia Legislativa de Minas Gerais pretende ir a São Gonçalo do Abaeté (Noroeste), para avaliar a possibilidade de mudança do local de construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do município. A visita foi aprovada em requerimento dos deputados Célio Moreira (PSDB) e Vanderlei Miranda (PMDB), durante a audiência pública desta terça-feira (25/10/11), que debateu o tema.

De acordo com o deputado Vanderlei Miranda, que solicitou a reunião, o bairro Beira Rio, onde seria feita a ETE e está localizado o Clube dos Piraquaras, realiza uma importante contribuição à preservação do meio ambiente, uma vez que conta com extensa área verde e lagoas naturais. O parlamentar acredita que o local não seria o mais indicado para a construção da estação, tendo em vista que o mal cheiro provocaria desconforto aos moradores e frequentadores do clube. "Sou totalmente favorável à construção da ETE, mas ninguém deseja, na porta de suas casas, presídios, cemitérios e estações de esgoto", afirmou.

O tesoureiro do Clube dos Piraquaras, Benjamin Alves Rabello Filho, reforçou as palavras do deputado e lembra que, apesar de ser a favor da ETE no município, teria sido pego de surpresa com o fato de a obra ser feita em parte das dependências do clube. Em sua fala, ele lembrou que apenas um quinto da área é construída, sendo o restante de preservação ambiental. "Fizemos um levantamento da região e há outros pontos que em a estação pode ser construída sem, com isso, prejudicar a população e o meio ambiente", alertou.

Prefeitura defende projeto e se diz aberta ao diálogo

O prefeito de São Gonçalo do Abaeté, Fabiano Magela Lucas de Carvalho, afirmou que a construção da ETE é uma luta antiga do município e vai trazer benefícios à região. Segundo ele, o projeto foi enviado à Fundação Nacional de Saúde (Funasa) em 2009 e agora o Governo Federal pede uma semana para que o trabalho seja cadastrado. "Uma reunião amanhã vai definir se nossa cidade será contemplada agora. Estamos abertos a definir uma outra área, mas não podemos perder este recurso da União", disse.

Ainda em sua fala, o gestor lembrou que o projeto foi baseado em um levantamento da área e que o local previsto seria o mais viável econômica e ambientalmente. "A mudança pode trazer um aumento representativo no custo da obra", completou.

Agilidade - O coordenador de Projeto de Divisão de Expansão Oeste da Copasa e responsável pelo projeto de construção da ETE em São Gonçalo do Abaeté, João Eduardo Dellatorres, destacou que está aberto à realização de novo estudo do local, mas alerta para a necessidade de que o trabalho seja ágil. Para ele, caso haja atraso nesta definição, o recurso federal pode ficar comprometido. "Não é possível definir o impacto financeiro da mudança, mas o cadastramento do projeto deve ser feito até o dia 28 de outubro", salientou.

O representante da Copasa disse, também, que o mal cheiro não será problema para os modadores e sócios do clube, tendo em vista que o projeto prevê tecnologia de combate ao odor provocado pelo esgoto a ser tratado.

Área pode ser mudada no licenciamento ambiental

O deputado Sávio Souza Cruz (PMDB) lembrou que a definição do local de qualquer construção que cause impacto ao meio ambiente é condição para que a obra receba o licenciamento ambiental. Desta forma, o parlamentar acredita que a alteração da ETE poderá ser feita durante este processo. "É preciso garantir o recurso do Governo Federal. Depois, no licenciamento, a área será definida", colocou.

O deputados Célio Moreira e Vanderlei Miranda insistiram no fato de que a população pode ser prejudicada com a ETE onde ela está prevista hoje, mas defendem a obra e a captação de recursos da União.

Ao final, a deputada Luzia Ferreira (PPS), também apoiou a estação, por entender que o tratamento do esgoto é uma questão sanitária e ambiental, uma vez que impacta os moradores da região e das cidades que ficam na extensão do Rio São Francisco, onde o esgoto é depositado. "Espero que ETE seja feita e a comunidade seja a maior beneficiada", concluiu.