Mineradora australiana desiste de instalar mina na Serra da Gandarela

Mundo Minerals fechará mina em Rio Acima em função da indefinição sobre a área do Parque Nacional

A mineradora australiana Mundo Minerals decidiu suspender por tempo indeterminado suas operações na mina de ouro subterrânea chamada Engenho, próxima ao município de Rio Acima, no Quadrilátero Ferrífero, e demitiu 50 trabalhadores.

A justificativa da empresa, segundo agências de notícias especializadas em mineração, é a demora por parte dos governos estadual e federal em definir a área de abrangência do Parque Nacional da Serra do Gandarela. Os órgãos ambientais não estariam licenciando ou revalidando licenças para áreas da região onde se pretende construir o parque.

Nos planos da Mundo Minerals estaria a abertura de uma nova mina na região, denominada Crista, de baixo custo operacional. A abertura dessa mina diluiria os altos custos operacionais da atual mina do Engenho, viabilizando a operação conjunta.

O investimento em Crista acabou inviabilizado pela falta de delimitação da área do parque nacional. Dependendo da demarcação, a área da mina pode ser destinada ao parque. A operação da mina também demandaria a construção de uma estrada, que passaria pela necessidade de licenciamento.

A empresa, em seu último balanço financeiro, já aventava a possibilidade de encerrar as operações da mina do Engenho em dezembro deste ano por dificuldades no licenciamento ambiental e pelo alto custo operacional.
Conforme o balanço financeiro da Mundo Minerals, as operações da mina Engenho passavam por processo de otimização com vistas a redução de custos. Este ano seriam investidos US$ 1 milhão para assegurar uma economia mensal de R$ 250 mil.

De junho de 2010 a junho de 2011, a mina do Engenho produziu 18,239 onças de ouro. Para cada tonelada de minério são lavrados 2,5 gramas do metal. Neste período, a empresa comercializou 17.982 onças, o que gerou receitas da ordem de US$ 24,5 milhões. O preço médio de venda foi de US$ 1.437 por onça, informou o relatório financeiro da companhia.

O projeto do Parque Nacional da Serra do Gandarela abrange as cidades de Barão de Cocais, Rio Acima, Caeté, Santa Bárbara, Raposos, Ouro Preto, Itabirito e Nova Lima em uma área total de 38.210 hectares. No total, considerando as áreas de amortecimento, serão 90 mil hectares de área protegida, onde a única atividade econômica permitida será o turismo.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), finalizou a proposta de criação do Parque em outubro de 2010, mas as tratativas com o Ministério do Meio Ambiente e o governo de Minas ainda estão em curso. O projeto Apolo, da Vale, orçado em R$ 4 bilhões, também aguarda a delimitação do Parque.
A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) confirmou que os licenciamentos estão suspensos. A criação do Parque mesmo está prevista para março de 2012.

legenda - Mineração na Serra do Gandarela: o parque, previsto para 2012, também pode inviabilizar projeto bilionário de ferro da Vale