EUA devem mandar ao Brasil mais 14 contêineres com lixo

Mais 14 contêineres contendo lixo hospitalar proveniente dos Estados Unidos devem chegar ao Porto de Suape, litoral sul de Pernambuco. O produto seria irregularmente utilizado por uma indústria do polo de confecções da região agreste do Estado, onde mais de 70 milhões de peças de roupas são fabricadas por mês. A informação foi repassada à Receita Federal pela Transportadora Marítima Hamburg Sud, responsável pelos contêineres que vieram dos EUA com a carga suspeita.


De acordo com as declarações de carga, os contêineres continham tecidos com defeitos, mas, na realidade, eram lençóis, fronhas e outros materiais provenientes de hospitais norte-americanos. O material chegou ao Recife com manchas que parecem ser de secreções humanas, como sangue. Amostras dos tecidos irregularmente importados foram enviadas para o Instituto de Criminalística de Pernambuco, onde serão examinadas.


No fim de semana, dois galpões do Império do Forro de Bolso foram interditados pelas agências nacional e pernambucana de Vigilância Sanitária. Isso porque ficou constatado que o material contaminado era usado para fabricação de forros de bolso para abastecer o polo de confecções. O dono da empresa está desaparecido.

O abuso não era novo. Há pelo menos dois anos, os produtos contaminados vinham sendo importados. Mas a fraude só foi descoberta neste ano pela Receita Federal, porque o valor declarado da carga - no caso 23 toneladas de tecidos - não batia com o praticado para esse tipo de mercadoria.