Liminar determina paralisação das obras de Belo Monte

A Associação dos Criadores e Exportadores de Peixes Ornamentais de Altamira (Acepoat) obteve hoje (29) vitória parcial na Justiça Federal de Belém. A associação conseguiu, por meio de liminar, a imediata paralisação das obras de construção da hidrelétrica de Belo Monte.

A decisão foi do juiz Carlos Eduardo Castro Martins, da 9ª Vara Federal, que proibiu o consórcio Norte Energia S.A, responsável pelas obras da hidroelétrica, de realizar qualquer alteração no leito do rio Xingu.

Os associados da entidade que ingressou com a ação praticam a pesca de peixes ornamentais no leito do mesmo rio, a construção da hidroelétrica condenaria a atividade, que gera renda para centenas de famílias que sobrevivem da exportação dos peixes para a Europa, Estados Unidos e Ásia.

Belo Monte é o maior empreendimento energético do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e terá potência instalada de 11,2 mil megawatts. O lago da hidrelétrica deverá inundar uma área de 516 quilômetros quadrados. O projeto é alvo de contestações de ambientalistas e movimentos em defesa dos direitos humanos, que defendem que a construção da hidrelétrica irá provocar diversos impactos socioeconômicos e perdas ambientais.