Mais nove aviões contra o fogo

Começam a operar hoje as nove aeronaves equipadas para combate a incêndios florestais, contratadas em caráter emergencial pelo governo.


O Estado agilizou a homologação da licitação realizada desde o início do ano, após denúncia da reportagem de O TEMPO publicada anteontem sobre a morosidade em licitar aviões especiais para combate a incêndios.


A empresa que prestava o serviço para o Estado teve o contrato rescindido no ano passado, após denúncias de irregularidades recebidas pelo Ministério Público Estadual (MPE).


Os aviões, de três modelos distintos, têm capacidade para 1.400, 1.800 e 2.800 litros. Para a contratação das aeronaves, está previsto um investimento de R$ 2,7 milhões para 496 horas/voo mensais, no período de um ano, podendo ser renovado por até cinco anos. O valor é o mesmo que seria pago caso o processo normal fosse concluído. O termo de referência foi homologado ontem e será publicado no Diário Oficial do Estado de hoje.


Os 106 homens do Corpo de Bombeiros e os 50 brigadistas que atuam no combate ao incêndio no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça encerraram as atividades no início da noite de ontem por medida de segurança. Em chamas há sete dias, o parque perdeu 90% da área de mata - o equivalente a 150 mil metros quadrados. Como o terreno é muito irregular, as equipes precisam encerrar as atividades na parte da noite, quando aumenta o risco de acidentes.


A prioridade no combate é proteger as nascentes do parque, que podem já estar contaminadas, além de evitar a propagação do fogo. Dois aviões de lançamento de água e dois helicópteros auxiliam os trabalhos de combate às chamas.


O Parque Estadual da Serra do Rola-Moça é administrado pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) e protege cerca de 3.900 hectares da serra de mesmo nome, nos municípios de Belo Horizonte, Nova Lima, Ibirité e Brumadinho.