Sujeira para impressionar

Quem passou ontem pela Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte, deparou com muito lixo nos quarteirões fechados do entorno do espaço. A previsão é de que as ruas fiquem ainda mais sujas hoje, já que a varrição está interrompida desde ontem e só será retomada amanhã. A paralisação do serviço faz parte de uma campanha da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) que começou com a instalação de um lixômetro de 16 metros quadrados e 2 metros de altura na Avenida Afonso Pena. O objetivo é mostrar às pessoas o tanto de lixo que é jogado diariamente nas ruas da praça e também medir os resíduos produzidos colocando-os no lixômetro.

Na última sexta-feira, a grande caixa em frente ao Pirulito foi inaugurada. Ao final de cada dia, todos os resíduos recolhidos da varrição e das lixeiras foi colocado na caixa. Foram quatro dias recebendo o lixo, que ocupou metade da capacidade do lixômetro. Ontem, a varrição parou para mostrar às pessoas como ficam as ruas quando não há varrição. O resultado foi imediato. No fim da manhã, a sujeira tomava conta principalmente na Rua Carijós entre Rua São Paulo e a Praça Sete.

 

O auxiliar administrativo Abner Cordeiro, de 20 anos, aprovou a ideia da SLU e garante ser um bom exemplo quando o assunto é lugar adequado para o lixo. "Essa iniciativa é muito bacana porque mostra às pessoas que muita gente joga lixo nas ruas. Eu costumo, inclusive, pegar lixo no chão e jogar nas lixeiras", afirma. Por outro lado, o estudante Hiram Donato, de 19 anos, reconhece que sua conduta não é adequada. "Se eu estiver perto de uma lixeira tudo bem, mas se não, jogo no chão mesmo. Sei que tenho pouca consciência nesse aspecto", conta Hiram.


De acordo com a chefe do Departamento de Políticas Sociais e Mobilização da SLU, Maria Vitória Corrêa Cavalieri, o principal objetivo da campanha é trabalhar a questão ambiental da cidade. "Queremos chamar a atenção das pessoas e primeiro assustá-las com a quantidade de lixo depositada no lixômetro. Depois, também queremos mostrar o tanto de lixo que fica nas ruas se não houver a varrição. Ao final de tudo isso, vamos limpar a praça e conversar com a população, deixando claro que nos preocupamos muito com a limpeza urbana da cidade", diz.

O norte-americano David Hoskins, de 34 anos, que está visitando Belo Horizonte, achou a iniciativa interessante para fazer um alerta sobre a limpeza da cidade. "Achei a cidade muito suja. Na Flórida, há multa para quem suja a cidade. As pessoas precisam mudar seus hábitos", diz o americano. Amanhã, a varrição será retomada e a SLU vai promover ações de abordagem, conversando com pedestres e motoristas sobre o papel de cada um na limpeza urbana da capital.