Cúpula do clima tem injeção de ânimo

Documentos divulgados pelo Wikileaks, porém, deram munição para que a delegação da Bolívia atacasse os EUA

Após dias de pessimismo, a última e decisiva semana da COP-16 começou com uma injeção de ânimo para as mais 190 nações que participam da conferência.


Depois de uma semana de poucos avanços, a chegada dos ministros do Ambiente a Cancún permitiu que as discussões fossem adiante. No fim de semana, novos textos para servir de base para as discussões entre os países foram redigidos. Eles tiveram boa aceitação."Esses textos cobrem todos os elementos para termos um pacote balanceado, e isso é bom", disse Connie Hedegaard, comissária do clima da União Europeia. "Nós temos as bases para trabalhar esta semana. Não podemos deixar Cancún de mãos vazias", completou.


Segundo os diplomatas, os países ricos estão indicando maior tolerância com a ideia de ajudar financeiramente países ameaçados pelas consequências da mudança climática. Além disso, o Reino Unido indicou que pode reduzir suas metas de emissão de CO2.


O revés ficou por conta da divulgação de mensagens diplomáticas pelo site Wikileaks relacionadas às negociações do clima. Elas diziam que EUA e União Europeia deveriam procurar maneiras de "neutralizar ou marginalizar" países vistos como "pouco dispostos a ajudar" nas negociações, como Venezuela e Bolívia.


Além disso, a ideia dos EUA era pressionar países muito vulneráveis à mudança climática, especialmente os países-ilhas, a apoiar as suas posições. Essas nações, diziam as mensagens, por precisarem de assistência financeira, "podem ser os nossos melhores aliados".


O chefe da delegação boliviana, Pablo Solon, disse que as mensagens "confirmam o que sempre falávamos: a interferência, a pressão e a chantagem lamentavelmente conduzidas pelos EUA".

Em Cancún, ruralista pede mais árvores

A presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), Kátia Abreu, apresentou ontem, em Cancún, um projeto de R$ 20 milhões que visa plantar árvores nativas em propriedades rurais em todos os biomas brasileiros.


Senadora pelo DEM de Tocantins, ela diz que queria um projeto "de verdade", e não uma "fantasia de ambientalista".


Kátia, porém, voltou a defender as alterações no Código Florestal, que anistiam desmatadores.
A reforma proposta pelo deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP), diz, é a única coisa capaz de dar segurança jurídica aos produtores. Ela já foi aprovada por comissão especial da Câmara, e os ruralistas querem votá-la em definitivo o quanto antes.

 

Jornal "Folha de São Paulo", 07/12/2010