Debate sobre catadores e resíduos urbanos desperta interesse em Campo Grande/MS

Terminou hoje (14) pela manhã em Campo Grande (MS) a primeira de cinco audiências públicas que o Governo vai realizar para garantir a participação da sociedade na montagem do Plano de Resíduos Sólidos. O encontro, que teve a participação de representantes de todos os estados da região Centro-Oeste e do Distrito Federal, reuniu cerca de 350 participantes. O tema: Resíduos Sólidos Urbanos e Inclusão de Catadores de Materiais Recicláveis foi responsável pelo maior interesse dos inscritos.
Em outubro estão previstas as outras quatro reuniões regionais nas regiões Sul (Curitiba), Sudeste (São Paulo), Nordeste (Recife) e Norte (Belém) respectivamente. O processo termina com um encontro em Brasília agendado para os dias 30 de novembro e 1º de dezembro. São aceitas inscrições em três categorias: Governo, empresariado e movimentos sociais.
Em cada uma das regiões serão apresentados e debatidos seis temas previamente escolhidos. No momento da inscrição, o interessado deve optar entre os seguintes assuntos: Resíduos Sólidos Urbanos e Inclusão de Catadores de Materiais Recicláveis; Resíduos de Serviços de Saúde, Portos, Aeroportos e Terminais Rodoviários; Resíduos Industriais; Resíduos de Mineração; Resíduos Agrossilvopastoris; e Resíduos da Construção e Demolição.
O gerente de Projetos da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano, Ronaldo Hipólito, considerou o encontro um sucesso, tendo despertado grande interesse por parte do público e com discussões produtivas. Segundo ele, a reunião de Campo Grande serviu também para que possam ser feitos ajustes na metodologia utilizada, principalmente na formatação do tema relativo aos resíduos urbanos e aos catadores, que é o que desperta o maior interesse dos participantes.

No documento-base utilizado pelos participantes estão previstas diretrizes e metas para o aproveitamento energético; a eliminação e recuperação de lixões; a redução, reutilização e reciclagem com o objetivo de reduzir a quantidade de resíduos descartados; deverão ser estabelecidos programas, projetos e ações; normas para acesso aos recursos da União; medidas para incentivar e viabilizar a gestão regionalizada; normas e diretrizes para destinação final de rejeitos e os meios para o controle da fiscalização.