DMAE monitora fontes de água potável em Poços de Caldas, MG

Poços de Caldas conta hoje com 28 fontes hidrotermais, minerais, sulfurosas e radioativas monitoradas pelo Departamento Municipal de água e Esgoto. A maioria delas tem mais de meio século de existência, como a Fonte Pedro Botelho, Macacos, Monjolinho e Fonte dos Amores. A História do município começou a ser escrita a partir da descoberta de suas primeiras fontes e nascentes, no século XVII. Em algumas dessas fontes, boa parte da população capta água para consumo domiciliar, é feita limpeza, higienização e, em alguns casos, a cloração. A empresa contratada é a Poços Limp e as análises da água são feitas no Laboratório do próprio Departamento.
Semanalmente é feita análise bacteriológica e, a cada três meses, análise físico-química. A analista e responsável técnica pelo Laboratório do DMAE, Ana Maria Ferreira, explica que "a cloração é necessária para evitar a contaminação por coliformes. Ela é feita com pastilhas de hipoclorito de cálcio, depositadas nos cloradores, que ficam na caixa de contato das fontes".Com exceção da Fonte do Monjolinho e Fonte dos Amores, os demais fontanários passam por esse processo. É recomendável que a água captada nas fontes seja consumida no prazo máximo de uma semana e os recipientes ou galões submetidos a limpeza com detergente ou água sanitária, antes do uso, sendo depois bem lavados com água para tirar o excesso desses produtos. A água das Fontes dos Amores e Monjolinho são as de maior pureza e qualidade. A dos Amores é levemente radioativa na fonte, onde aflora a 17ºC. Ela é engarrafada pela Empresa Água Mineral Poços de Caldas, mas também pode ser captada nos fontanários existentes no ponto turístico, no inicio da rua Piauí. As águas da fonte Monjolinho, na Praça Tiradentes, na Cascatinha, têm natureza radioativa e ação diurética.