Emissão de gás carbônico em 2010 foi recorde

As emissões de gás carbônico atingiram uma alta recorde no ano passado, informou a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) ontem. Os dados reduzem a perspectiva de se limitar o aumento global das temperaturas a 2º C até o fim deste século, como almejado em um acordo fechado pelas nações no ano passado.


Após uma queda em 2009, por causa da crise financeira global, a estimativa é que as emissões tenham aumentado no ano seguinte para um recorde de 30,6 gigatoneladas (1 gigatonelada equivale a 1 bilhão de toneladas). Trata-se de um salto de 5% em comparação com o recorde anterior, de 2008, quando as emissões foram de 29,3 gigatoneladas (Gt), segundo a IEA.


Além disso, a agência estimou que 80% das emissões projetadas do setor energético em 2020 já estão garantidas, pois vêm de usinas de produção de energia já em funcionamento ou em construção atualmente.


Os líderes mundiais concordaram com uma meta para limitar o aumento da temperatura no mundo.A IEA calculou que, para se atingir a meta fechada, baseando-se nas metas fechadas pelos países para até o fim da década, as emissões relacionadas à energia no mundo em 2020 não podem ser superiores a 32 Gt. O aumento nas emissões nos próximos dez anos, portanto, deve ser menor que o ocorrido entre 2009 e 2010 para a meta ser alcançada, destaca a IEA.