Fiscais identificam desmatamento ilegal no noroeste do Estado

A operação teve início no dia 23 de junho e é realizada no noroeste do Estado. O foco da ação é a localização de possíveis pontos de desmatamento previamente identificados por satélites que realizam o monitoramento da cobertura vegetal do Estado. Munidos de mapas nos quais estão assinalados os locais, os fiscais buscam os pontos indicados para comprovar as irregularidades. Até quarta (25/05), foram identificados sete pontos de supressão de vegetação sem autorização.

Um dos pontos previamente identificados pelo satélite fica no município de Riachinho, cuja imagem, captada em julho de 2010, indicava uma supressão de vegetação de oito hectares na época. Ao chegarem ao local e medirem a área, os fiscais descobriram que o desmatamento atingira 73 hectares de cerrado. "As atividades foram suspensas e o proprietário e o responsável pelo desmatamento e pela produção de carvão foram multados em R$ 88 mil, cada", explica o analista ambiental do Sisema, Alessandro Machado.

Durante as buscas em Riachinho, os fiscais encontraram uma área de 10 hectares que foi desmatada sem autorização. A fumaça dos quatro fornos de carvão existentes no local chamou a atenção dos fiscais que descobriram ainda cerca de 54 m³ de carvão e 18 estereos de lenha. As atividades na propriedade foram suspensas, o material apreendido e o proprietário multado em R$ 85 mil. "Um agravante ao desmatamento foi a grande presença de madeira da espécie Aroeira, ameaçada de extinção, e de Gonçalo-Alves, de corte restrito", explica o diretor de Fiscalização de Florestas e Biodiversidade da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Bruno Zuffo Zanducci.

Pesca

A operação 'Pirá' foi a primeira de fiscalização ambiental integrada em que são observadas as questões relativas à pesca. Estão sendo visitados estabelecimentos que comerciam pescado e petrechos nos quais foi verificado o tamanho e a origem dos peixes. Equipes utilizam três barcos no rio Urucuia na busca de pescadores sem autorização e que utilizem equipamentos que não são permitidos pela legislação.

Outro aspecto observado na operação é o possível uso irregular de recursos hídricos, como a captação de água para uso em irrigação sem autorização do outorga do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam). Foram visitados seis empreendimentos, mas não foram encontradas irregularidades.

A operação ´Pirá' reúne 16 técnicos do Sisema e 36 integrantes da Polícia Militar de Meio Ambiente. Durante toda a semana, os fiscais da subsecretaria de Controle e Fiscalização Ambiental Integrada da Semad, percorrerão os municípios de Buritis, Riachinho, Pintópolis, Santa Fé de Minas, São Romão e Urucuia.