MATA ATLÂNTICA Minas lidera o desmate


No Dia Nacional da Mata Atlântica, comemorado hoje, Minas Gerais ganha mais uma vez o título de campeão no ranking de desflorestamento do bioma mais rico em biodiversidade do Planeta. Pelo menos é o que se constata no Atlas da Mata Atlântica, divulgado ontem pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Os dados se referem ao período de 2008 a 2010 e mostram que, neste período, Minas perdeu 12.467 hectares de floresta nativa. Isso equivale a 124,67 quilômetros quadrados ou a 12 mil campos de futebol ou a quase metade da área de Belo Horizonte.

As principais causas da devastação são a expansão do reflorestamento de eucalipto e da produção de carvão vegetal para siderurgia. "Boa parte dos municípios que mais devastaram no país estão no Norte do estado. Há momentos em que a exploração carvoeira explode, depois temos um aumento da produção do papel. Depende muito do momento econômico que Minas vive, mas há um desmatamento acentuado que faz com que o estado sempre esteja no pódio entre os que mais perderam área de mata atlântica", explica Flavio Ponzoni, pesquisador e coordenador do Atlas pelo INPE.

Dos cincos municípios que mais perderam cobertura florestal nativa de 2008 a 2009, quatro estão em território mineiro. Os dois primeiros, Ponto dos Volantes e Jequitinhonha, ambos no Jequitinhonha, perderam 3.244 e 2.786 hectares, respectivamente. Em terceiro está Pedra Azul, no Jequitinhonha, que desflorestou 676 hectares, e em quinto aparece Águas Vermelhas, no Vale do Mucuri, que perdeu 525 hectares.

De acordo com Mário Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, os desmatamentos desses municípios se concentraram nos limites da mata atlântica com o cerrado e a caatinga, especialmente nas matas secas, e mostram como o estado vive situações contraditórias. "Ao mesmo tempo em que tem o pior dos mundos no Jequitinhonha e no Norte de Minas, também tem um belo exemplo como a Plantar, empresa que tem até um programa de crédito de carbono. Minas vai do ceú ao inferno, na questão de desflorestamento", avalia.

Em nota, o Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema) explicou que Minas é o estado com maior área remanescente de mata atlântica do país e que houve uma redução no percentual de área desmatada no estado, que passou que 4,27% no período 1995/2000 para 0,47% no último levantamento. Acrescenta que o número de municípios mineiros que desmataram o bioma caiu de 405 para 159.

REDUÇÃO Os dados apresentados pelo relatório, que analisou 16 dos 17 estados que concentram áreas de mata atlântica, revelam que o bioma perdeu 311,95 quilômetros quadrados, ou 31.195 hectares de cobertura, em três anos. Desse total, 30.944 hectares correspondem a desflorestamentos, 234 a supressão de vegetação de restinga e 17 a supressão de vegetação de mangue.

A diretora de Gestão do Conhecimento e coordenadora do Atlas pela SOS Mata Atlântica, Márcia Hirota, lembra que comparando com o último Atlas, divulgado em 2008, houve uma queda de 55% na taxa média de desflorestamento. Essa redução foi acompanhada em todos os estados, inclusive em Minas, onde a taxa média anual caiu 43%. Minas tinha originalmente 46% do seu território cobertos pela mata atlântica e agora restam apenas 10,04% (2.733.926 hectares).

"Vários motivos explicam a queda, como a Lei da Mata Atlântica, de 2006, que definiu o uso e a exploração do bioma, um maior monitoramento, a fiscalização por parte do poder público e a própria vigilância da sociedade. Isso sem falar no papel de cerca de 300 ONGs que trabalham em prol da mata. Porém, mais do que nunca, é necessário estabelecer políticas que preservem o que ainda temos de vegetação nativa", destaca.

Hirota lembra que com a aprovação das alterações do Código Florestal a fundação vai manter o compromisso de monitoramento e só posteriormente é que será possível analisar os impactos da nova legislação. Entretanto, Mário Mantovani salientou que o código gera preocupação, já que, em alguns pontos, o texto flexibiliza o uso da terra. "As alterações no Código Florestal só pioram a situação já dramática da mata atlântica", frisou.

RANKING

Estado - Hectares

1º MG - 12.467

2º BA - 7.725

3º SC - 3.701

4º PR - 3.248

5º RS - 1.864

Cidades/Hectares

1º Ponto dos Volantes (MG)
3.244

2º Jequitinhonha (MG)
2.786

3º Pedra Azul (MG)
676

4º Andaraí (BA)
634

5ºÁguas Vermelhas (MG)
525

Fonte: SOS Mata Atlântica